Os conteúdos gramaticais requeridos, atualmente, nos grandes testes apresentam diferenças significativas. Isso porque, antigamente, cobrava-se com intensidade o conhecimento das regras e de suas exceções. Já hoje em dia, as questões de gramática aparecem num contexto muito mais interpretativo, vinculando a função dos termos dentro de um texto. Basicamente, é a ideia da gramática a serviço do texto e da comunicação.

Não se apegar somente às regras, mas entendê-las a partir de um cenário comunicativo é sempre uma boa alternativa. Especificamente no caso da redação, você será avaliado em grandes eixos, como clareza, objetividade, coesão, coerência, nível vocabular, grau de formalidade, entre outros aspectos.

Abaixo, temos um compilado dos principais pontos gramaticais requeridos na redação do ENEM e nos principais vestibulares do país.

Regência verbal e nominal

Saber quais verbos são transitivos diretos e quais são indiretos já é um excelente ponto de partida, porém, apenas isso não é suficiente. É necessário saber também quais as diferenças de sentido ao se utilizar uma preposição ou outra e quais são os vários significados que um mesmo verbo pode assumir dependendo de seu complemento. No caso de substantivos, adjetivos e advérbios, que são as classes gramaticais que compõem a regência nominal, procure entender quais palavras obrigatoriamente requerem preposição para construção de significado.

Concordância verbal e nominal

Atente-se sempre para a combinação entre singular e plural, principalmente em frases mais longas, se necessário, releia a sentença a fim de encontrar qual é o sujeito dela. Lembre-se: quem determina o formato das demais classes de palavras (adjetivos, artigos, verbos) é sempre o substantivo, por isso, faça a concordância de número (singular e plural) e gênero (masculino e feminino) com base nas características do substantivo.

Uso de conectivos

Conectivos são palavras (frequentemente da classe das conjunções) que ligam dois termos ou duas orações dentro de um mesmo período e é aqui que muita gente tem dúvida. Procure compreender em que situações os utilizamos e qual a ideia central contida nos principais conectores, que são: que, se, quando, onde, qual, quem, cujo, como, quanto.

Processo de subordinação e coordenação

Um dos problemas mais recorrentes em redações de testes de relevância é o uso excessivo de pontos, constituindo períodos sem grande desenvolvimento. Ao estudar os processos de subordinação e coordenação, você terá repertório para construir parágrafos mais elaborados, com ideias concatenadas e maior completude.

Ordem direta e indireta

Em Língua Portuguesa, temos duas formas de ordenarmos as orações: na ordem direta- sujeito, verbo, complementos, termos acessórios- ou na ordem indireta. Reflita sobre as variadas possibilidades que uma ordem ou outra pode conferir à sua redação e escolha com base no nível de formalidade que você quer aplicar ao texto.

Processo de formação das palavras

Para esse conteúdo, não é exatamente importante saber o nome dos processos, mas sim entender sobre o uso de prefixos e sufixos para aplicá-los corretamente em sua redação.

Morfologia

Relembre quais são as dez classes gramaticais e quais são as características peculiares de cada uma delas. Isso te ajudará a escolher a palavra mais adequada para sua oração, evitando erros e trocas indevidas na frase.

Pronomes pessoais e possessivos

Muitos candidatos acabam se esquecendo de que a redação é um texto formal e que, por conta disso, várias frases que são utilizadas no campo da oralidade não devem ser incluídas na produção textual. O uso dos pronomes pessoais e possessivos é um conteúdo que oferece desafios com certa frequência. Para evitar essa dificuldade, estude quais pronomes “combinam” com quais sujeitos.

Colocação pronominal

Quem já não se viu diante da situação de não saber se o correto é colocar o pronome antes, no meio ou depois do verbo? Por isso, revise as regras da colocação pronominal e não se esqueça de que a mesóclise, pronome no meio do verbo, é um recurso cada vez menos utilizado em nossa língua.

Verbos transitivos diretos e indiretos e pronomes pessoais oblíquos

Os pronomes pessoais oblíquos são aqueles que atuam como complementos diretos ou indiretos de um verbo, mas como saber quais exercem função de objeto direto e quais exercem função de objeto indireto? Qual verbo aceita qual pronome? Solucionar essas dúvidas só é possível por meio do estudo do processo de transitividade verbal e do uso específico dos pronomes pessoais oblíquos enquanto complementos verbais.

Polissemia e ambiguidade

Já sabemos que uma mesma palavra pode ter vários significados e que a compreensão do significado depende do contexto em que o vocábulo está inserido, mas há um problema com relação a essa característica polissêmica: a possibilidade criarmos orações ambíguas, de duplo sentido. Procure saber sobre os principais casos de ambiguidade para evitá-los em sua redação.

Pessoas e conjugações verbais

Tradicionalmente, as produções textuais de testes oficiais são escritas em terceira pessoa do singular, de forma indeterminada ou não. Revisite o conceito de pessoas verbais e relembre como aplicar a terceira pessoa do singular em suas conjugações.

Voz passiva

A depender do formato do texto, orações na voz passiva podem ser úteis, portanto inclua no processo de revisão o conceito de vozes verbais, as possibilidades de construção da voz passiva e o significado específico dela numa frase.

Tipos de sujeito

Seus sujeitos serão determinados ou indeterminados? Qual será o formato da determinação ou da indeterminação? O que justifica tal escolha? Temos várias possibilidades para a escolha do sujeito, basta só você selecionar qual o mais adequado para cada situação de uso.

Uso da crase

É praticamente impossível escrevermos um texto completo (com introdução, desenvolvimento e conclusão) e não termos a presença da crase ao menos uma vez. Por ser uma temática que traz incertezas em sua aplicação, leia a teoria e faça exercícios sobre os fundamentos da crase e os casos especiais.

Verbo haver e fazer

Os verbos haver e fazer possuem regras distintas a depender do tipo da oração e do significado que se quer dar. Como são verbos bastante comuns, é interessante trazer à memória quais são essas normas e como usá-las apropriadamente.

Pontuação

Elemento absolutamente fundamental para a construção de sentido, a pontuação precisa integrar seu plano de estudos desde a revisão da função de cada sinal de pontuação até as regras mais avançadas sobre sintaxe e pontuação, ordenação da frase e uso da vírgula, frase, oração e período, casos de obrigatoriedade de vírgula e contextos que não admitem vírgula.

Por fim, procure esquematizar seu plano de estudo de forma lógica e ordenada, sempre do conteúdo mais simples para o mais complexo e sem acúmulo de temas a fim de que realmente você alcance resultados realmente eficazes e consiga aquela nota tão sonhada.

E aí, gostou da dica de hoje? Não se esqueça de compartilhar com seus amigos!

Ah, siga-nos no INSTAGRAM: @redacaonline

QUERO APRENDER REDAÇÃO!


Leia mais:

Como fazer uma boa redação no ENEM 2019?

Como escrever uma redação sem saber nada sobre o tema?

Como fazer uma boa proposta de intervenção na redação do ENEM?

Diferenças e semelhanças entre a redação do ENEM e de vestibulares

Como estudar para o ENEM 2019: Enem Game

Redação Nota 1000 ENEM 2018: Uma Análise Completa

Como estudar de graça para o ENEM?

Comentários do Facebook