Redação Nota Mil no Enem: confira exemplos e saiba como fazer

Como tirar nota mil na redação Enem?

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), todos os anos, tira o sono de muitos estudantes e pessoas que já concluíram essa etapa da Educação Básica. Isso porque ele avalia os conhecimentos dos participantes e uma boa nota pode ser o passaporte de ingresso em uma universidade. As provas do Enem são famosas por serem exaustivas, contendo muita leitura e interpretação de texto, habilidades que boa parte da população não domina segundo alguns estudos na área. Além disso, é necessário escrever uma redação de até 30 linhas e ela vale, sozinha, 20% da nota final. Produzir uma redação nota 1.000 no Enem, portanto, é o objetivo de quem faz a inscrição para essa prova.

Você sabe como fazer uma redação nota mil? Se não sabe, acompanhe a leitura e entenda tudo que é preciso para conseguir o nível mais alto na avaliação da prova. Se já sabe, acompanhe para aproveitar as nossas dicas e melhorar ainda mais o seu desempenho no exame nacional! Vamos lá!

Qual o tipo de texto cobrado na redação do Enem?

Antes de mais nada, é fundamental conhecer a estrutura do tipo de texto cobrado pela banca do Enem. Muitos estudantes não conhecem as diferenças entre os gêneros textuais e produzem, por exemplo, artigo de opinião quando deveriam escrever uma redação dissertativa-argumentativa. Mesmo que haja algumas semelhanças, é imprescindível saber a diferença se você quiser atingir uma redação nota mil no Enem.

Qual a diferença entre artigo de opinião e texto dissertativo-argumentativo?

Tanto o artigo de opinião quanto a dissertação são gêneros do tipo argumentativo que têm em comum a intenção do autor em defender o seu ponto de vista de forma fundamentada sobre alguma demanda social. A diferença básica é que, como o próprio nome diz, no primeiro a opinião é marcadamente pessoal, que pode ser feito o uso da primeira pessoa gramatical (eu). Já o texto dissertativo-argumentativo é marcado pela impessoalidade na escrita, embora também seja voltada ao convencimento do leitor a respeito de uma ideia.

Qual a diferença entre dissertação argumentativa e expositiva?

Outra confusão comum é entre dissertação argumentativa e dissertação expositiva. Na primeira, como desenvolveremos na sequência, é requerido uma tese, ou seja, uma clara defesa de algum modo específico de enxergar os fatos. Na expositiva, no entanto, apenas são apresentados dados e referências sobre o assunto, demonstrando amplo conhecimento, mas sem a necessidade de propor soluções. Todos esses gêneros textuais se estruturam em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. No caso do Enem, você verá que o encerramento do texto exigirá uma proposta de intervenção. Logo vamos mostrar como fazê-la. Siga na leitura!

O que é preciso para tirar 1000 na redação do Enem?

Para se dar bem e conseguir a almejada redação nota mil no Enem, você precisa saber o que será avaliado pelos corretores oficiais da prova. O Enem tem uma especificidade que é a atribuição de notas por competências e em níveis, assim é possível que avaliadores do Brasil inteiro consigam atribuir pontuação para milhões de participantes de forma mais justa. Portanto, tais critérios são bastante objetivos e distribuídos em escalas (níveis) conforme o desempenho do participante. Assim, saiba que uma das premissas do trabalho de quem corrige os textos é possibilitar que todas as pessoas consigam tirar uma boa nota considerando o que apresentou no texto.

As competências são cinco e visam avaliar o desempenho em relação aos seguintes aspectos:

Competência I:

Avalia-se o uso formal da língua portuguesa na modalidade escrita, portanto é preciso demonstrar o domínio, ou seja, que você consegue escrever sem desvios (erros de escrita) e com uma estrutura sintática excelente (organização das orações e períodos, tornando a leitura clara e fluida).

Competência II:

Verifica-se se houve entendimento da proposta de redação e se foram aplicados conhecimentos diversificados (repertório sociocultural) de modo produtivo no desenvolvimento do tema. Além disso, será avaliado o atendimento ao gênero textual dissertativo-argumentativo.

Competência III:

O avaliador identificará se há um projeto de texto que primou pela seleção, relação organização e interpretação de informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. Deve haver coerência nessa articulação de dados.

Competência IV:

O texto precisa apresentar mecanismos linguísticos suficientes para a construção da argumentação. Aqui, portanto, o participante precisa demonstrar domínio do uso de elementos coesivos e operadores argumentativos inter e intraparágrafos. Ou seja, estamos falando de coesão textual.

Competência V:

O participante precisará propor alguma intervenção a ser feita diante da problemática tratada no texto, coerente com a sua argumentação e sua tese. Essa proposta deve conter cinco elementos obrigatórios: ação + agente + modo/meio + efeito + detalhamento. Fique tranquilo(a) que explicaremos como fazer isso na sequência deste artigo!

O ENEM admite quantos erros para alcançar a nota 1.000 na redação?

Engana-se quem pensa que as redações nota mil do Enem são todas perfeitas, sem erros. Embora seja, sim, possível que alguns participantes não cometam desvios, alguns textos com nota máxima podem apresentar algumas pequenas falhas que não comprometeram a atribuição do nível 5 em todas as competências. Veja abaixo o que não prejudica a avaliação da sua nota no nível mais alto:

Competência I:

Permitido haver até dois desvios (erro de grafia, acentuação, concordância, pontuação, vírgula, uso da crase etc.), no máximo. Além disso, pode haver apenas uma falha de estrutura sintática (truncamento ou justaposição de orações ou períodos).

Competência III:

São admitidos deslizes pontuais tanto de projeto de texto quanto de desenvolvimento das ideias, fatos, opiniões e argumentos.

Competência IV:

Os textos de nível 5 nesta competência podem apresentar raras repetições dos elementos coesivos, todavia não pode haver inadequações – uso equivocado desses mecanismos. Ou seja, não pode um elemento que deveria ter sentido de conclusão quando a ideia era de adversidade, por exemplo.

E as competências II e V? Não são admitidos erros?

A resposta é não. Nesses dois casos, o texto precisa ser “perfeito”, ou seja, na competência II o participante precisa abordar completamente o tema, mostrar as três partes do texto, sendo que nenhuma delas pode ser embrionária (poucas linhas desenvolvidas). Além disso, o repertório deve ser legitimado e pertinente ao tema, com uso produtivo. Assim, deve haver informações relevantes para a defesa do ponto de vista, coerentes com o tema, que funcione para o convencimento do leitor sobre as ideias apresentadas.

Já na competência V, para conseguir os 200 pontos necessários para uma redação nota mil no Enem, é obrigatório que a proposta de intervenção apresente todos os elementos citados anteriormente: ação, agente, modo/meio, efeito e detalhamento. Portanto, é fundamental estudar e começar a entender como fazer bom uso das informações no texto e fazer propostas completas na conclusão para que a sua redação seja nota mil!

https://youtu.be/7M4KyiEpOeQ

O que as redações nota mil têm em comum?

A cada edição do Enem, o número de redações avaliadas com nota máxima vem reduzindo. Em 2017 e 2019, houve 53 redações nota mil no Enem. Em 2018, o número foi semelhante, com 55 redações com essa pontuação. Mas já houve anos em que 481 participantes tiraram nota 1.000, como em 2013. De todo modo, se considerarmos que milhões de pessoas fazem as provas Enem, é um número bastante baixo. Os fatores para isso podem ser muitos, que vão desde déficit educacional até falta de investimentos na área, passando ainda por uma cultura que privilegia aquilo que é de mais rápido consumo e de pouca reflexão, como tecnologias e mídias sociais. Portanto, diante desse quadro, ser excelente em todas as competências torna-se um grande desafio.

No entanto, mesmo considerando todas essas adversidades, não é impossível alcançar a nota máxima, e as redações nota mil que ainda aparecem todos os anos estão aí para provar isso. Uma boa recomendação é que você leia alguns exemplos de redação nota mil para tentar perceber por que razão foram tão bem avaliadas. Com base no que você já aprendeu neste artigo, saiba que as redações nota 1.000 têm em comum os seguintes requisitos:

  • Escrita formal em língua portuguesa

Privilegiaram o padrão da escrita formal, respeitando todas as regras gramaticais. Os autores souberam apresentar estruturas sintáticas mais completas, e não somente a ordem clássica (sujeito + predicado + objeto/complemento). Mostraram domínio de inversões sintáticas e um vocabulário amplo, com poucas repetições e inadequações. Além disso, evitaram formas típicas da oralidade

  • Compreensão da proposta de intervenção

As redações nota mil deixam evidente a estrutura dissertativo-argumentativa, sem traços de outros tipos textuais (como os narrativos e descritivos). A escolha do repertório condiz com a temática, sendo organicamente pertinente ao tema (leia-se: não forçam a barra com referências que não são relevantes para a discussão). Isso significa que a escolha de dados, fatos, citações etc. é produtiva, assim contribuindo para a clareza do texto.

  • Apresentação da tese na introdução

O tema e o ponto de vista sobre ele estão já nas primeiras linhas do texto. É a partir disso que o desenvolvimento e a conclusão formarão um todo coerente com as ideias e a fundamentação apresentada. Mostram a tese de cara e deixam clara para o leitor a linha de raciocínio.

  • Parágrafos de desenvolvimento argumentativos

Textos com as notas mais altas não só fazem uso de referencial como também conseguem desenvolvê-lo de modo a contribuir para a defesa da tese. Assim, durante todo o texto há desenvolvimento completo das ideias, não sendo deixado para o leitor completar as lacunas do autor.

  • Conclusão com proposta de intervenção completa

Os participantes com melhor desempenho não esquecem que há cinco elementos obrigatórios na conclusão. Além disso, propõem soluções que são coerentes com a tese e com o que foi desenvolvido ao longo da redação.

O que estudar para uma redação nota mil?

Esqueça a ideia de que escrever bem é um dom. Todo mundo pode desenvolver essa habilidade, desde que haja estudo e, principalmente, treinamento. Não há fórmulas mágicas.  O único modo de fazer uma redação nota mil no Enem é escrevendo muitas redações que talvez não fossem avaliadas com essa nota. Escrever bem e conseguir a tão sonhada nota máxima no Enem é um processo! Veja agora algumas dicas para você começar agora mesmo a estudar redação.

  • Leia muito!

O hábito de ler é cada vez mais abandonado pelas pessoas. A busca por respostas rápidas prejudica que elas se entreguem a uma leitura de maior fôlego. Até mesmo na internet, são poucos que leem um texto que exija mais de 7 minutos de leitura, e por essa razão alguns portais de notícias informam, junto ao título, o tempo que o leitor levará para receber a informação (que é cada vez menor). Algumas técnicas de engajamento nas redes também privilegiam uma escrita mais curta, o que tem nos deixado bastante mal-acostumados. O ideal é que você leia de tudo, desde notícias variadas sobre as atualidades como obras literárias, biográficas, históricas, em diversos gêneros textuais. Isso certamente será útil como repertório no dia de escrever sua redação nota mil no Enem.

  • Habitue-se a escrever

De nada adianta saber tudo sobre a estrutura do texto e sobre a gramática se você não colocar esses conhecimentos em prática. Quem está se preparando para o Enem precisa estabelecer um cronograma de estudos em que a escrita de, no mínimo, uma redação por semana seja contemplada. Se você usar plataformas de correção, como o Redação Online, espere sempre a devolutiva de sua redação corrigida antes de escrever uma nova sobre outro tema. É fundamental reescrever os textos já produzidos e que ainda podem ser aprimorados. Observe os apontamentos dos corretores e abuse das reescritas, pois são elas que de fato colocarão seu texto mais próximo das notas mais altas em todas as competências avaliadas.

Calcule o tempo usado para compreender a proposta, levantar os argumentos, escrever o rascunho, reler o texto (fazendo os ajustes) e passar a limpo. Escreva sempre à mão para deixar sua letra bem legível. Com as facilidades atuais, são poucos os momentos em que colocamos as mãozinhas para trabalhar. Elas também precisam de treinamento!

  • Coloque-se na posição do leitor

Jamais escreva um rascunho e o passe a limpo sem reler a redação algumas vezes para identificar se a construção dos períodos deixou claras as suas ideias. Pense como o leitor do texto: houve objetividade e está acessível a qualquer público? A linguagem está adequada? O vocabulário usado é rico, mas sem ser difícil de entender? Há diversidade de uso de conectivos e operadores argumentativos em todo o texto? Se não houver, é possível inserir alguns? A proposta de intervenção tem os cinco elementos obrigatórios?

Conforme você identificar as falhas, arrume-as ainda no rascunho. Convém também deixar o texto de lado por alguns minutos para poder fazer a leitura dele com mais calma e a cabeça mais fria e atenta posteriormente. Isso ajudará a identificar os problemas com mais facilidade, bem como dará tempo para você amadurecer as ideias apresentadas e verificar se elas estão coerentes.

Como fazer uma redação nota mil passo a passo?

Agora que você já sabe quais as competências avaliadas para que uma redação seja considerada uma nota mil no Enem, veja um passo a passo de como fazer um bom texto:

1. Compreenda o comando da prova

Antes de tudo, compreenda o comando da prova. Ele trará informações fundamentais como número mínimo e máximo de linhas da sua redação, obrigatoriedade ou não de apresentar título, gênero textual a ser priorizado, entre outras.

2. Produza um título eficiente para sua redação do Enem

Além disso, o Enem não exige a apresentação de título, mas caso você use um no seu texto, saiba que ele será alvo de avaliação. Portanto, é primordial que você saiba como produzi-lo de forma eficiente.

3. Vá além dos textos da prova

Para melhorar ainda mais, vá além dos textos motivadores apresentados na prova, pois eles estão ali para que você entenda melhor sobre o que precisa escrever.  No entanto, copiá-los ou fazer uso apenas dos dados apresentados neles fará sua redação ser avaliada como mediana na competência II, o que impacta – e muito – na avaliação das demais. Apresente sempre uma boa fundamentação. Para isso, então, vale a pena você separar alguns minutos para escrever um projeto de texto ou mesmo fazer um mapa mental com todas as informações que você deseja desenvolver para defender seu ponto de vista.

4. Cuidado com as rasuras na redação do Enem

Evite rasurar a sua folha de prova. Caso errar uma palavra, passe apenas um traço simples por cima dela e escreva-a corretamente na sequência. Faça todos os ajustes necessários na folha de rascunho e muita atenção à hora de passar a limpo. Depois, a transcrição com o mínimo de desvios.

5. Atente-se as regras de espaço

Não ultrapasse as margens da folha de prova ou do caderno. Respeite os limites das linhas e não esqueça de sinalizar as entradas de parágrafo. Conforme você for treinando, entenderá melhor como desenvolver bem os argumentos num espaço tão limitado. Em geral, distribua o texto em quatro parágrafos: um para a introdução, dois para o desenvolvimento e um para a conclusão. Além disso, cuide para que todos os parágrafos tenham mais ou menos o mesmo número de linhas (entre 5 e 7).

6. Atente-se as regras de separação silábica

Respeite as regras de separação silábica na translineação. Quando uma palavra não couber inteiramente em uma linha, coloque um traço após uma das sílabas e continua-a na linha seguinte. Apenas um traço na linha anterior é necessário, na nova linha não coloque nada além da continuação da palavra.

7. Evite zerar a redação

Evite receber zero por produzir qualquer tipo de identificação na folha de prova, pois esse é um critério de desclassificação. Por incrível que pareça, o desconhecimento muitas vezes leva pessoas que escrevem bem a tirar zero. Por essa razão, leia atentamente o edital do Enem e a cartilha do participante para saber quais os fatores que levam à nota zero bem como todos os critérios usados nas avaliações de forma mais detalhada. Não seja pego de surpresa! Todas as informações já estão disponíveis e são amplamente divulgadas. Acesse-as!

Exemplo de redação nota mil do Enem 2022:

Tema: Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil:

Historicamente, a partir da implementação das missões jesuíticas no Brasil colonial, os povos nativos tiveram suas tradições suprimidas e seu conhecimento acerca das peculiaridades territoriais menosprezado. Na contemporaneidade, a importância dessas populações configura um fator indispensável à compreensão da diversidade étnica do nosso país. Contudo, ainda persistem desafios à valorização dessas comunidades, o que interfere na preservação de seus saberes. Logo, urgem medidas estatais que promovam melhorias nesse cenário.

Sob esse viés, é válido destacar a fundamentalidade dos povos tradicionais como detentores de uma pluralidade histórica e cultural, que proporciona a disseminação de uma vasta sabedoria na sociedade. Nesse sentido, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) afirma as heranças tradicionais desses grupos como constituintes do patrimônio imaterial brasileiro. Dessa forma, sabe-se que a contribuição desses indivíduos para a formação intelectual do corpo social engloba práticas de sustentabilidade, agricultura familiar e, inclusive, confere a eles uma participação efetiva na economia do país. Assim, evidencia-se a extrema relevância dessas comunidades para a manutenção de conhecimentos diferenciados, bem como para a evolução da coletividade.

Entretanto, a falta de representantes políticos eleitos para essa classe ocasiona a desvalorização das suas necessidades sociais, que não são atendidas pelos demais legisladores. Nesse contexto, a Constituição Federal assegura direitos inalienáveis a todos os cidadãos brasileiros, abordando o dever de inclusão dos povos tradicionais nas decisões públicas. Desse modo, compreende-se que a existência de obstáculos para o reconhecimento da importância de populações nativas se relaciona à ineficácia na incorporação de representantes que sejam, de fato, interessados na perpetuação de saberes e técnicas ancestrais propagados por esses grupos. Sendo assim, comprova-se a ocorrência de um grave problema no âmbito coletivo, o qual impede a garantia plena dos direitos básicos dessas pessoas.

Diante do exposto, denota-se a urgência de propostas governamentais que alterem esse quadro. Portanto, cabe ao Estado – cuja função principal é a proteção dos direitos de seus cidadãos – a implantação de mudanças no sistema eleitoral, por meio da criação de cotas rígidas para a eleição de políticos oriundos de localidades nativas. Tal reestruturação terá como finalidade a valorização de povos tradicionais, reconhecendo a sua fundamentalidade na composição histórica e cultural da sociedade brasileira.

Essa redação foi escrita pela Maria Fernanda, redação nota 1000 no Enem 2022.

Tema: Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil. Veja o texto corrigido com a nota 1000:

 O poeta modernista Oswald de Andrade relata, em “Erro de Português”, que, sob um dia de chuva, o índio foi vestido pelo português – uma denúncia à aculturação sofrida pelos povos indígenas com a chegada dos europeus ao território brasileiro. Paralelamente, no Brasil atual, há a manutenção de práticas prejudiciais não só aos silvícolas, mas também aos demais povos e comunidades tradicionais, como os pescadores. Com efeito, atuam como desafios para a valorização desses grupos a educação deficiente acerca do tema e a ausência do desenvolvimento sustentável. Diante desse cenário, existe a falta da promoção de um ensino eficiente sobre as populações tradicionais. Sob esse viés, as escolas, ao abordarem tais povos por meio de um ponto de vista histórico eurocêntrico, enraízam no imaginário estudantil a imagem de aborígenes cujas vivências são marcadas pela defasagem tecnológica. A exemplo disso, há o senso comum de que os indígenas são selvagens, alheios aos benefícios do mundo moderno, o que, consequentemente, gera um preconceito, manifestado em indagações como “o índio tem ‘smartphone’ e está lutando pela demarcação de terras?” – ideia essa que deslegitima a luta dos silvícolas. Entretanto, de acordo com a Teoria do Indigenato, defendida pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, o direito dos povos tradicionais à terra é inato, sendo anterior, até, à criação do Estado brasileiro. Dessa forma, por não ensinarem tal visão, os colégios fometam a desvalorização das comunidades tradicionais, mediante o desenvolvimento de um pensamento discriminatório nos alunos. Além disso, outro desafio para o reconhecimento desses indivíduos é a carência do progresso sustentável. Nesse contexto, as entidades mercadológicas que atuam nas áreas ocupadas pelas populações tradicionais não necessariamente se preocupam com a sua preservação, comportamento no qual se valoriza o lucro em detrimento da harmonia entre a natureza e as comunidades em questão. À luz disso, há o exemplo do que ocorre aos pescadores, cujos rios são contaminados devido ao garimpo ilegal, extremamente comum na Região Amazônica. Por conseguinte, o povo que sobrevive a partir dessa atividade é prejudicado pelo que a Biologia chama de magnificação trófica, quando metais pesados acumulam-se nos animais de uma cadeia alimentar – provocando a morte de peixes e a infecção de humanos por mercúrio. Assim, as indústrias que usam os recursos naturais de forma irresponsável não promovem o desenvolvimento sustentável e agem de maneira nociva às sociedades tradicionais. Portanto, é essencial que o governo mitigue os desafios supracitados. Para isso, o Ministério da Educação – órgão responsável pelo estabelecimento da grade curricular das escolas – deve educar os alunos a respeito dos empecilhos à preservação dos indígenas, por meio da inserção da matéria “Estudos Indigenistas” no ensino básico, a fim de explicar o contexto dos silvícolas e desconstruir o preconceito. Ademais, o Ministério do Desenvolvimento – pasta instituidora da Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais – precisa fiscalizar as atividades econômicas danosas às sociedades vulneráveis, visando à valorização de tais pessoas, mediante canais de denúncias. Essa redação foi escrita pela Luís Felipe de Brito, redação nota 1000 no Enem 2022.

Como agir no dia da prova para tirar a nota 1.000 na redação do Enem?

Depois de um ano inteiro de preparação, chega a hora da verdade. Isso mesmo! O momento de, enfim, realizar a prova pode causar bastante ansiedade e apreensão. Portanto, quanto mais preparado(a) você estiver, menores serão os temores que sentirá no momento decisivo de mostrar tudo o que você sabe e conquistar sua redação nota mil no Enem.

1 – Mantenha a calma

Em primeiro lugar, lembre-se: tudo que você poderia fazer para fazer uma redação nota mil no Enem já foi feito na preparação. Assim, no dia da realização da prova não é recomendável você escrever textos ou fazer leituras muito densas para tentar arrumar repertório de última hora. Embora seja muito difícil prever qual será o tema, foque em uma preparação prévia eficiente, com a leitura de notícias e fatos sociais mais relevantes dos doze meses anteriores ao dia de prova, especialmente os do primeiro semestre de cada ano. Desse modo, como as provas são elaboradas com meses de antecedência do dia da aplicação, assuntos mais recentes têm pouca probabilidade de serem cobrados. Então, relaxe! Se você estudou durante o ano, poderá se sair muito bem!

2 – Sem obstáculos

Chegue com tempo de sobra para fazer a prova. Quanto mais dificuldades você tiver para chegar ao local de prestar o Enem, mais ansioso e tenso(a) ficará. Estar psicologicamente bem é fundamental para um bom desempenho, então elimine todo tipo de obstáculo externo para que o foco esteja na prova. Ademais, respire fundo e mantenha a mente no presente! Não é hora de ficar pensando no que você poderia ter feito, o passado não dá para mudar. Faça o melhor possível no agora, com tudo o que você tem!

3 – À sua maneira

Há muitas técnicas para elaborar a redação nota mil no Enem no dia da prova e você deve testá-las para saber qual a melhor para você. Uma delas é: assim que receber seu caderno de provas, leia os textos motivadores e saiba qual o tema de redação. Ademais, planeje como desenvolverá o texto e escreva o rascunho. Depois, faça alguma das provas do caderno que você se sente mais confiante para “dar um tempo” do seu texto. Dessa forma, quando for ler novamente, conseguirá perceber o que precisa ser feito para melhorá-lo. Em seguida, releia o texto algumas vezes, até ele fazer 100% de sentido para você. Só depois de tudo isso é que você deve passar a limpo, e não deixe essa etapa para quando faltarem poucos minutos de prova. O nervosismo pode fazer você acabar cometendo erros bobos. Por isso, faça uma boa gestão do tempo e tudo dará certo.

4 – A espera

Após entregar sua prova, saiba que não está mais nas suas mãos. Por essa razão, faça tudo que for necessário antes, estudando e se preparando bem. Missão cumprida, é hora de descansar e aguardar o resultado do Enem. Depois de todas essas informações e dicas, temos certeza de que você se sairá bem e poderá até conseguir a redação nota mil se colocar a mão na massa!

Precisa de ajuda para estudar redação? Conheça nossos planos e conte com uma equipe de corretores experientes que conduzirá você ao sucesso! Venha para o Redação Online!

Confira abaixo alguns conteúdos relacionados a redações nota 1000 do Enem:

Veja também quais são as principais dúvidas a respeito de como escrever uma redação nota 1000:

Como não cometer erros na competência II e V da redação do Enem?

É fundamental ler e compreender bem a proposta do tema e os textos motivadores, além de evitar a fuga do tema e desenvolver uma tese clara e bem argumentada. Também é preciso ficar atento à coesão e coerência textual, evitando repetições e desvios de sentido.

Como posso tirar uma nota 1000 no Enem?

É preciso ter uma escrita clara e coerente, seguindo a estrutura de introdução, desenvolvimento e conclusão. Além de apresentar uma tese bem defendida e argumentada, e também apresentar uma proposta de intervenção consistente e que aborde os problemas abordados no texto.

Como estudar redação?

Para isso, é importante ler bastante, praticar a escrita, estudar gramática, ortografia e coesão textual. Além de analisar modelos de textos para entender técnicas de argumentação e persuasão. Buscar feedbacks de professores, amigos e familiares é uma forma importante de aprimorar a escrita.