Lista com as principais conjunções para redação!

por | out 22, 2021

Início » Gramática » Lista com as principais conjunções para redação!

Conjunções para redação: quais são e como utilizá-las corretamente.

Você sabe usar conjunções para redação da maneira correta? As conjunções estão constantemente presentes no nosso vocabulário e nas produções textuais; são elas que deixam nosso texto assertivo, organizado e mais atraente ao leitor. Por outro lado, muitas pessoas ainda não sabem como e onde utilizá-las.

Quem conhece todas as categorias de conjunções consegue aproveitar o campo semântico a favor de uma redação mais assertiva e agradável. Pensando nisso, elaboramos uma publicação com todas as informações importantes sobre conjunção para você aprimorar seu conhecimento no assunto.

Antes de discorrer sobre o tema, precisamos entender quais são as categorias e subcategorias das conjunções, junto aos seus significados. Começando com uma breve explicação do que é conjunção.

Afinal, o que é uma conjunção?

Conjunção é o nome dado às palavras de ligação entre uma oração e outra, com o mesmo valor gramatical. As conjunções não variam de gênero ou número e possuem valores diferentes; algumas significam adição (e, bem como, como também), outras conclusão (logo, portanto, assim), e por aí vai.

Quer um exemplo? Então vamos lá:

“Eu gosto de cachoeira e de acampar ao ar livre”.

Neste caso, o “e” possui sentido de adição, ligando duas orações com dois termos comuns: “cachoeira” e “acampar ao ar livre”. Essa e outras conjunções são essenciais para construir uma boa redação e, por isso, devemos estar atentos aos seus significados e aplicações.

Confira nossa publicação com dicas para fazer uma boa redação para o ENEM

Quais os tipos de conjunções?

As conjunções são divididas entre coordenativas e subordinativas e cada uma possui suas próprias subcategorias de conjunções:

Conjunções Coordenativas

Em poucas palavras, as conjunções coordenativas são aquelas que ligam duas orações independentes. Além disso, as conjunções coordenativas são subdivididas em outras 5 diferentes:

1. Aditivas

São aquelas que expressam soma e adição à frase, como em: “Ele não só é lindo como também engraçado”.

  • Exemplos de conjunções coordenativas aditivas: também, mais, como também, nem, ainda, não só, bem como, mas também, além de, quanto, não somente, além disso.

2. Adversativas

Expressam oposição e adversidade à frase, como em: “Não foram hexa, todavia, deixaram o Brasil todo orgulhoso com seu desempenho”; “Não era ator, contudo, caía com a destreza de um gato.”

  • Exemplos de conjunções coordenativas adversativas: todavia, no entanto, não obstante, porém, mas, entretanto, contudo.

3. Alternativas

Simbolizam a escolha de pensamentos; por exemplo: “Ou você vai ou você fica”; “Ele faz um drama gigante, seja por dinheiro, seja por amor”.

  • Exemplos de conjunções coordenativas alternativas: ou, ora… ora, ou… ou, já… já, seja… seja, quer… quer.

4. Explicativas

Exprimem razão e motivo, geralmente antecedidas por uma vírgula: “Coma vegetais, porque é importante!”; “Leve um casaco, pois vai chover”

  • Exemplos de conjunções coordenativas explicativas: que, pois, porque, por conseguinte, porquanto, assim.

5. Conclusivas

Exprimem conclusão de pensamento: “Chorei bastante, portanto consegui um bom desconto”; “Estou passando mal, por isso não vou à escola”

  • Exemplos de conjunções coordenativas conclusivas: portanto, logo, por isso, por conseguinte, pois, assim.

Conjunções Subordinativas

As conjunções subordinativas, por sua vez, são aquelas que ligam duas orações dependentes entre si, como o próprio nome sugere. Dentre as conjunções subordinativas, há 10 subdivisões:

1. Integrantes

Servem como a introdução de uma oração que vai completar o sentido da outra: “Quero que você compre um x-bacon agora para mim”; “A verdade é que estou com fome.”; “Não sei se vou hoje.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas integrantes: Que e se.

2. Causais

Introduzem orações que dão ideia de causa: “Como fingi que estava doente, não pude ir à aula.”; “A grama está molhada porque choveu.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas causais: porque, que, como, visto que, pois que, uma vez que, já que, porquanto, desde que.

3. Comparativas

Introduzem orações que dão ideia de comparação: “Eu sempre fui melhor que você!”; “Ele é tão bonito quanto você!”

  • Exemplos de conjunções subordinativas comparativas: qual, como, que, do que (depois de mais, menos, maior, menor, melhor e pior), bem como.

4. Concessivas

Iniciam orações que indicam contradição: “Vou à praia, embora esteja chovendo.”; “Estou com frio, mas vou assim mesmo.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas concessivas: ainda que, embora, mesmo que, posto que, se bem que, apesar de que, por mais que.

5. Condicionais

Dão início a orações que denotam hipóteses ou condições: “A menos que eu não queira, estarei lá amanhã.”; “Eu te amarei, contanto que você se comporte.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas condicionais: caso, se, a menos que, salvo se, contanto que, a não ser que, desde que.

6. Conformativas

Iniciam orações que expressam acordo, resolução: “Cada um enriquece conforme trabalha.”; “Fiz a atividade conforme a professora orientou.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas conformativas: conforme, como, consoante, segundo.

Dica: As conjunções subordinadas conformativas são interessantes para fazer citações.

7. Consecutivas

Dão o início de orações que indicam uma consequência ou um ato que é consequência de outro: “Ela esperneou tanto que conseguiu o que queria.”; “O bolo estava tão gostoso que comi tudo!”

  • Exemplos de conjunções subordinativas consecutivas: que (precedido de tal, tanto, tão ou tamanho), de forma que, de modo que, de sorte que.

8. Temporais

Iniciam orações que dão sensação de tempo: “Fomos assim que deu vontade.”; “Melhor irmos antes que chova.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas temporais: mal, quando, logo que, assim que, antes que, sempre que, depois que, desde que.

9. Finais

Iniciam orações que exprimem finalidade: “Pelo amor de deus, sentem logo para que eu possa ver a Beyoncé!”

  • Exemplos de conjunções subordinativas finais: porque, que, para que, a fim de que.

10. Proporcionais

Iniciam orações que exprimem concomitância, sequência, sincronia: “À medida que eu cresço, eu vejo a besteira que fiz.”

  • Exemplos de conjunções subordinativas proporcionais: à proporção que, medida que, ao passo que, quanto menor, quanto menos, quanto melhor, quanto maior.

Como utilizar as conjunções para redação?

Agora que você conheceu todas as conjunções subordinativas e coordenativas, é o momento de saber como utilizá-las da maneira certa em sua redação. Para não ter erro, você deverá entender o sentido da sua frase, entender se as orações dependem uma da outra e de que forma dependem. Calma, vou explicar:

“A verdade é…” é uma oração subordinada a outra, ou seja, depende de outra para ter sentido. Sua dependência é de complemento, integração, portanto, trata-se de uma oração subordinada integrante. Com isso, você só precisa encontrar a conjunção correta para que sua frase faça sentido.

As conjunções integrantes são que e se, neste caso ficaria: “A verdade é que estou faminta!”.

Muitas palavras podem ter sentidos diferentes, é o caso da conjunção “que”, que possui diferentes significados. Só nessa publicação descobrimos que o “que” pode ter o sentido de complemento, finalidade, consequência, comparação, causa e por aí vai.

É necessário ter total controle do que está sendo dito na sua produção para que os sentidos sejam completos, sem que haja abertura para mais de uma interpretação.

E aí, gostou das nossas dicas? Essas são as conjunções presentes na língua portuguesa. Apesar de serem muitas, com um bom entendimento sobre elas você ficará craque! Uma dica extra é experimentar e praticar sempre que possível: esse é o segredo para uma boa produção textual.

Aproveite e confira também nosso post sobre “As palavras que você deve evitar (ao máximo!) na sua redação“.

Assine um plano do Redação Online
Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM