Combate ao machismo no mundo gamer | Tema de Redação

por | jun 21, 2022

Início » Temas e Repertórios » Combate ao machismo no mundo gamer | Tema de Redação

No mundo dos jogos on-line, as mulheres ouvem piadinhas infames, xingamentos descarados e até ameaças, se por acaso vencem o jogo – esse é o machismo no mundo gamer

Se esse fosse o tema da próxima redação do Enem ou do vestibular, o que você escreveria? Não custa nada se preparar: aqui vão 3 textos motivadores para ajudá-lo a pensar no caso. Em seguida escreva uma dissertação argumentativa expondo o problema do machismo no mundo gamer e como ele poderia ser minimizado. 

 

TEXTO 1

 

‘Vivi situações humilhantes’: ela criou campanha contra machismo nos games

 

“Tenho 21 anos e minha relação com o mundo gamer começou aos 7, influenciada por meu pai, que também joga. Ele me mostrou alguns games e me apaixonei por esse universo ao ver o quanto aquilo podia ser algo legal e divertido. Hoje em dia, jogo profissionalmente e já disputei várias competições de “Rainbow Six Siege”, ganhando três delas. No campeonato de 2020, por exemplo, fui a melhor do ranking no circuito feminino desse jogo. Por outro lado, sendo mulher nesse meio sei que o machismo no mundo gamer é algo muito comum, infelizmente. Vivi situações horríveis e humilhantes. Em trocas com outras jogadoras percebi o quanto isso é comum e percebi, então, a necessidade de criar algo contra esse tipo de situação que fazia a gente sentir como se ali não fosse nosso lugar. Foi daí que nasceu a ideia da campanha “Game Sem Preconceito”.

(…) 

Numa das primeiras vezes em que fui agredida online, eu estava jogando com meu pai e um outro jogador, ao perceber que eu era mulher, começou a dizer coisas terríveis – me chamou de vagabunda e disse que eu deveria ir lavar louça em vez de jogar. Eu fiquei muito nervosa e abalada. Mesmo meu pai tendo me defendido na hora e me confortado, aquela foi uma situação muito constrangedora e eu me senti extremamente mal. Em outra ocasião, estava jogando junto com outras meninas na equipe e resolvi me comunicar com elas por voz. Quando um rapaz que também estava no jogo me escutou falando, ele começou a me xingar gratuitamente. Isso pelo simples fato de eu não ser homem. Fui, novamente, chamada de vagabunda, p*ta e ouvi que, por ser mulher, não poderia estar ali. 

Fonte: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2021/08/13/sou-gamer-e-criei-uma-campanha-contra-o-machismo-nos-jogos.htm / Acesso em 21 jun 2022.

 

TEXTO 2

 

O mundo gamer ainda é machista e nós precisamos falar sobre isso!

 

Direto de Belo Horizonte, a gamer Paula Cabral traz um pouco da sua vivência. Com 26 anos, começou frequentando lan houses, nos anos 2000, onde era praticamente a única menina.

Existe espaço para os jogadores denunciarem dentro dos jogos? Você já denunciou? 

Infelizmente, ainda tem muito preconceito, tanto no chat, por escrito, quanto no microfone. Mas tem como denunciar. Você pode selecionar se foi por chat ou voz, preenche as informações sobre o episódio e envia a denúncia. Já presenciei bastante coisa e já denunciei muito. Sei de relatos de contas que sofreram punições, foram banidas por algum tempo, após as denúncias. 

O que gostaria de ver melhorar em um futuro recente para o ambiente ficar mais saudável?

Sou muito contra as lines, que são as disputas só entre mulheres e só entre homens. Para mim, elas simbolizam que as mulheres seriam inferiores. Por exemplo, em uma disputa de boxe, colocar um homem e uma mulher para lutar seria errado por questões biológicas, musculares, estruturais do corpo humano. Mas, nos games, o que vale é o intelecto, não uma habilidade física. Em termos de jogo, não existe nenhuma diferença de um homem para mulher. Não faz sentido existir line só feminina. Eu e a XIS, a organização onde trabalho, somos totalmente contra. O que espero do futuro do cenário é a line mista, mulher jogando junto com homens nos campeonatos.

Adaptado de https://fastcompanybrasil.com/games/o-mundo-gamer-ainda-e-machista-e-nos-precisamos-falar-sobre-isso/ / Acesso em 21 jun 2022.

 

TEXTO 3

 

Streamers enfrentam machismo no universo gamer

 

No meu primeiro dia de stream, enquanto fazia divulgação após uma partida, um dos jogadores começou a me insultar. Sofri gordofobia, racismo e insultos com as piores palavras que possa imaginar. Ele me disse que eu não deveria estar jogando, apenas pelo fato de eu ser uma mulher”, relata Laura Cavalcante, mulher preta e streamer há três anos.

O desabafo de Laura ilustra o que pesquisas nessa área já apontam. Esse ano, a Reach3 Insights, em parceria com a Lenovo, desenvolveu uma pesquisa em nível mundial e mostra que 77% das mulheres gamers enfrentam alguma situação desconfortável por conta de seu gênero. O julgamento de habilidades (70%), controle (65%) e comentários condescendentes (50%) são as violências mais recorrentes.  

Além disso, a pesquisa também aponta que 59% das mulheres entrevistadas usam identificação de gênero masculino ou não identificam o seu gênero para se resguardar do assédio durante os jogos.

Fonte: https://www.ufpb.br/comu/contents/noticias/mulheres-streamers-enfrentam-violencia-e-machismo-no-universo-gamer / Acesso em 21 jun 2022.

 

TEXTO 4

 

8 relatos do machismo que as mulheres gamers sofrem todos os dias - Revista  Galileu | Buzz

Fonte: https://revistagalileu.globo.com/blogs/buzz/noticia/2016/03/7-relatos-do-machismo-que-mulheres-gamers-sofrem-todos-os-dias.html / Acesso em 21 jun 2022.

Repertórios socioculturais relacionados ao tema

 

  1. Reportagem – até que ponto as escolas podem ajudar a eliminar o machismo do mundo dos gamers? Leia a matéria do Estadão e tire suas conclusões.
  2. Artigo – o Programa Recomeço, de Curitiba, revela neste artigo até onde o machismo pode levar a mulher, e isso pode começar sim no mundo gamer. 
  3. Música – não vamos incluir nenhuma música machista aqui, mas temos a rica opinião de vários pesquisadores e especialistas sobre várias delas (que você deve conhecer).
  4. Notícia – Ingrid Bueno era gamer e foi morta por um colega de jogo online. Se você não soube, esta notícia relata o caso, além de comentar mais sobre o machismo dos gamers.
  5. Filme – “Moxie: quando as garotas vão à luta” mostra a revolta de um grupo de meninas, alunas de uma escola que ignora o machismo presente ali. Confira o trailer:

 

https://www.youtube.com/watch?v=tCPRe-FyuTc

 

Como sempre, estamos aguardando ansiosamente a sua redação para mostrarmos em quais aspectos você deve melhorar! Nosso time de professores corrige suas redações em até 3 dias úteis!

 

Dara Zimermann

Bacharela em Cinema e Mestra em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Criadora de conteúdos para a área da Educação desde 2018. Atualmente, é Coordenadora de Marketing do Redação Online.

Assine um plano do Redação Online
Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM