Mapa mental para redação: saiba mais sobre!

por | fev 11, 2022

Início » Dicas de Redação » Mapa mental para redação: saiba mais sobre!

Você sabia que dá usar mapa mental para a redação? Essa técnica muito utilizada em outras matérias é a queridinha dos studygrams que tanto estudantes seguem e acredite: é eficaz, inclusive, quando se trata da construção de um texto coeso e coerente.

Na verdade, esses esquemas nasceram como uma ferramenta de organização no ambiente corporativo. Hoje, as escolas, procurando novas formas de absorção de conteúdo, começaram a ensinar seus alunos a fazerem mapas mentais nas mais diferentes disciplinas.

Essa técnica só foi ganhando mais e mais espaço com o passar do tempo. Que tal aprender? O Redação Online te conta com clareza o que ela é, sua diferença para os mapas convencionais e, de quebra, ainda te ensina formar de aplicá-lo em sua redação. Continue a leitura!

Mas antes, deixe nosso post com dicas sobre como começar a se preparar para o Enem aberto se você se encontra nessa fase da vida!

Afinal, o que é um mapa mental para redação?

Quem sistematizou o que hoje conhecemos como mapa mental foi Tony Buzan. O psicólogo queria encontrar uma forma de organizar um grande apanhado de informações para que o conteúdo principal fosse destacado. Para isso, ele desenhou um esquema onde o tema central da pesquisa ou estudo ficou no centro de uma folha. Todos os subtemas relacionados foram desenhados como se fossem “ramos” desse tema central.

Anote: para o mapa mental, o assunto principal é a raiz e o tronco da árvore e os assuntos secundários, relacionados a esse assunto principal, são os galhos.

Pensando especificamente nos mapas mentais para redação, é possível utilizá-lo tanto para aprender a estrutura de um gênero textual, quanto na hora da prova. Isso porque diversos vestibulares variam o tipo de texto a cada ano, e fica por meio do mapa mental é bem mais automático relembrar como montar cada gênero textual.

Esse é um processo de resumo guiado por palavras-chave, como espécies de subtópicos. É muito importante que elas realmente mantenham relação direta com o assunto central e ajudem a trazer à memória o conteúdo estudado. Mas, vale lembrar que a memória de cada aluno funciona de uma forma, por isso é completamente possível que esses sub-títulos variem de caso para casa mesmo que o tema principal seja o mesmo.

Por vezes, fazer um resumo eficiente – e assertivo – do tema pode ser muito útil para a construção de um mapa mental.

Uma peculiaridade pauta-se no fato de que, normalmente, os mapas mentais são feitos à mão já que esse próprio processo de escrita é uma ótima estratégia de aquisição de memória. Entretanto, você também pode usar aplicativos criados justamente para essa finalidade.

Frequentemente, também, utilizam-se cores variadas para destacar cada parte desse esquema. Essas cores facilitam a memorização e, inclusive, a memorização por blocos de subtemas. O mapa mental é, portanto, a ferramenta perfeita para alunos de aprendizado visual!

Imaginemos o exemplo de um mapa mental sobre períodos literários brasileiros. Cada período literário pode ser representado por uma cor e por um desenho que lembre a principal característica do período, como uma árvore, para o Arcadismo, ou uma cruz, para o Barroco.

É muito comum que usem esse conceito como sinônimo para os mapas conceituais. Você já ouviu falar sobre eles? A Redação Online te explica!

Mapa mental e mapa conceitual: qual a diferença?

O mapa conceitual tem como principal objetivo relacionar as ideias numa escala do mais importante para o menos importante. Foi sistematizado por Joseph Novak também enquanto ferramenta de organização, porém, ele buscava organizar os conteúdos numa gradação de relevância. Essa é a sua principal diferença com a estratégia que explicamos no tópico anterior.

Geralmente é feito para abordar assuntos mais amplos, que têm muitas relações. Ao contrário do mapa mental, que tem um formato mais livre, o mapa conceitual é frequentemente representado por caixas e flechas/setas. Esse esquema não tem a adição de cores ou desenhos – eles não são proibidos, mas também não são comuns nessa técnica.

Dica para montar um mapa conceitual:

A caixa maior, centralizada e no topo da folha, contém o conceito que será organizado neste mapa. As caixas menores trazem os subconceitos e são ligadas à caixa central e às demais caixas por flechas/setas. Em cima das flechas, são adicionados verbos que fazem a conexão entre as caixas.

Uma coisa é certa: tanto para o mapa mental quanto para o mapa conceitual é imprescindível que você tenha estudado o conteúdo anteriormente, pois tudo o que for colocado na folha precisa fazer o máximo de sentido, senão ele não funcionará enquanto ferramenta de estudos.

Costumeiramente, dizemos que os mapas mentais devem ser feitos no início do processo de aprendizado e os mapas conceituais após amplo período de estudos, pois os mapas conceituais exigem informações mais complexas e completas para serem produzidos.

Independentemente do tipo de mapa que você escolher – mental ou conceitual – ambos funcionam para assimilar e resumir um conteúdo. E é claro que eles também são úteis para, após algum tempo, revisar esse tema.

Qual a importância de fazer um mapa mental para redação?

Como já falamos, eles são uma excelente opção para a memorização e resumo de tópicos. Também são ótimas ferramentas para alunos visualizarem de forma rápida uma grande quantidade de informações. No entanto, sua importância e benefícios ainda vão além. Usar os mapas mentais também possui vantagens como:

  • auxilia a fixar estruturas textuais de cada gênero;
  • conseguir organizar informações desconexas;
  • ajuda em uma sessão de brainstorming;
  • facilita a memorização e aprendizagem de matérias;
  • durante a prova, permite a separação das ideias para cada parte da redação;
  • permite seu organizar melhor para construir a argumentação de seu texto;

Agora que sabe como essa estratégia pode ser uma grande adição para sua rotina de estudos, está na hora de aprender a montar seu próprio mapa mental para redação. Nossas dicas também servirão para aplicar em outros tipos de conteúdos!

Mapa mental para redação: Aprenda como fazer em 5 passos!

Não há muito segredo para montar seu mapa mental, ele não precisa ficar esteticamente perfeito para ser funcional. Apesar do capricho ser importante, não se esqueça que o principal motivo de construir esse tipo de esquema é uma organizar as informações de forma que elas façam sentido.

Existem aplicativos como o Coggle e o Mindmeister que podem ser utilizados, mas nossas dicas são úteis também para a forma mais simples – e eficaz – de criar esses esquemas. Por isso, pegue uma folha em branco e seus materiais para começar a montar o seu!

1. Revise a matéria que deseja resumir

Anteriormente já comentamos sobre esse passo. Não há como resumir um conteúdo com clareza e precisão se ele não estiver fresco em sua memória. Por isso, revise a estrutura de redação que quer como o tema central de seu mapa mental. Atente-se aos pontos principais de parágrafos, inclusão ou não de título, e características que identificam aquele gênero textual – como a saudação e despedida das cartas pessoais, por exemplo.

2. Separe os subtópicos

Ao revisar seu conteúdo, irá perceber quais são as palavras-chaves mais importantes. Esses subtópicos serão as ramificações que saem do tema central e precisam estar intimamente relacionados com ele. Um bom exemplo a se pensar é um mapa mental sobre a dissertação do Enem. Bons tópicos seriam:

  • introdução;
  • desenvolvimento 1;
  • desenvolvimento 2;
  • conclusão.

Ainda seria possível adicionar uma seção sobre linguagem que deve ser usada, o que não pode ter no texto, entre outros.

3. Comece a montagem pelo tema central

Para manter a organização das informações, função principal dessa ferramenta, é importante começar a montar a estrutura pelo tema do resumo. Coloque o título destacado no centro da página, escrito de forma que fique saber do que o mapa se trata apenas de passar o olho pela folha. Seguindo o exemplo do tópico anterior, seu mapa teria “Dissertação ENEM” bem no centro da imagem.

Depois é só adicionar as subdivisões conforme o necessário, deixe sempre um espaço para as anotações de cada ponto. Lembre-se de considerar quantas informações existem em cada separação para saber quanto da página é necessário deixar para cada uma delas.

4. Faça suas anotações de forma direta

O mapa mental é um resumo do resumo, ou seja, ele não possui frases longas. Acrescente as anotações necessárias de forma direta e sucinta. No entanto, cuide para não exagerar a ponto de omitir informações importantes para a compreensão da matéria. Esse esquema precisa ser prático, mas bem completo.

5. Adicione os complementos

Com todos os dados já escritos, é o momento de adicionar os complementos visuais como setas, desenhos e cores. Eles ajudarão a compreender a separação de cada uma das categorias, entender as relações entre uma informação e outra, e fixar ainda mais tudo há de importante sobre o tema.

É claro que essas dicas de cores e desenhos servem para estudos antes do vestibular. Se estiver montando seu mapa mental para redação durante a prova, revise as informações dos textos de apoio e monte conforme as ideias presentes em cada parágrafo. Esse detalhe fará toda a diferença na sua nota!

Agora que já sabe tudo o que precisa para começar a usar os mapas mentais como uma ferramenta, confira o conteúdo sobre como montar seu cronograma de estudos! Nosso blog tem uma variedade de posts com as melhores dicas para estudantes garantirem notas altas na redação, não deixe de acompanhar!

Leia também:

Como fazer um resumo eficiente?

Filmes, séries e livros que podem ser utilizados na redação do ENEM

Redação ENEM: Análise dos 11 últimos temas cobrados na prova

Redação nota mil: Como estar pronto para qualquer tema que caia no Enem

ENEM 2019: Análise do tema de redação

Receita infalível pra se dar bem na redação do ENEM nesse ano

Assine um plano do Redação Online
Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM