logo redação online

Gramática

estudante utilizando conjunções em redação
Gramática
Otavio Pinheiro

Lista com as principais conjunções para redação!

Conjunções para redação: quais são e como utilizá-las corretamente. Você sabe usar conjunções para redação da maneira correta? As conjunções estão constantemente presentes no nosso vocabulário e nas produções textuais; são elas que deixam nosso texto assertivo, organizado e mais atraente ao leitor. Por outro lado, muitas pessoas ainda não sabem como e onde utilizá-las. Quem conhece todas as categorias de conjunções consegue aproveitar o campo semântico a favor de uma redação mais assertiva e agradável. Pensando nisso, elaboramos uma publicação com todas as informações importantes sobre conjunção para você aprimorar seu conhecimento no assunto. Antes de discorrer sobre o tema, precisamos entender quais são as categorias e subcategorias das conjunções, junto aos seus significados. Começando com uma breve explicação do que é conjunção. Afinal, o que é uma conjunção? Conjunção é o nome dado às palavras de ligação entre uma oração e outra, com o mesmo valor gramatical. As conjunções não variam de gênero ou número e possuem valores diferentes; algumas significam adição (e, bem como, como também), outras conclusão (logo, portanto, assim), e por aí vai. Quer um exemplo? Então vamos lá: “Eu gosto de cachoeira e de acampar ao ar livre”. Neste caso, o “e” possui sentido

Leia mais »
quando usar hífen
Gramática
Otavio Pinheiro

Quando usar hífen?

Quer saber quando você deve usar o hífen? Então, este artigo é para você!   A dúvida sobre quando usar hífen é uma “pedra no sapato” de muitos estudantes e, depois no Novo Acordo Ortográfico, parece ter ganhado força. Por isso, neste texto, vamos lhe ensinar em quais situações você deve ou não utilizar o sinal gráfico HÍFEN. Vamos começar lhe dizendo quando NÃO usá-lo. Então, pega papel e caneta aí e bora estudar!   Quando NÃO usar hífen     Exceções:   Fique atento às exceções dessa regra: pé-de-meia, cor-de-rosa e palavras que designam espécies animais e botânicas são hifenizadas mesmo tendo elemento de ligação. Atenção: com as palavras iniciadas com R e S, a regra é diferente, como veremos abaixo. Em quais situações devemos, então, usar o hífen? Veja a seguir!   Quando usar hífen?   Cuidado! Há, na internet, várias ocorrências dessa palavra grafada incorretamente da seguinte forma: interracial. Sempre que você tiver dúvida, use o VOLP – Vocabulário Ortográfico na Língua Portuguesa –, o qual faz parte do site da Academia Brasileira de Letras.    O hífen e os advérbios BEM e MAL   Depois do Novo Acordo Ortográfico, pouca coisa mudou no que se refere

Leia mais »
erros gramaticais mais comuns
Gramática
Claudia Bechler

10 erros gramaticais que quase todo mundo comete

Conheça os 10 erros gramaticais mais frequentes e pare agora mesmo de cometê-los. Saiba tudo sobre eles neste post! Embora no dia a dia desvios gramaticais sejam muito comuns e até mesmo aceitáveis, em provas de redação, sejam de concurso ou vestibular, é necessário evitá-las. Isso porque conhecer a norma padrão culta da língua portuguesa é, invariavelmente, pré-requisito desse tipo de processo de seleção. Assim, saber algumas regras gramaticais é fundamental. Porém, há alguns desvios que são mais comuns do que se imagina e acabam quase virando regras (mas daquilo que NÃO se deve fazer). Então, neste post separamos os 10 erros gramaticais que quase todo mundo comete para você ficar atento(a) a eles. Afins Se você não está a fim de perder pontos na competência 1 do Enem, por exemplo, precisa saber disto aqui. Muita gente confunde a fim (separado) e afim (junto). Os significados são bem distintos, então o uso de um ou outro muda completamento o sentido da frase – ou mesmo deixa ela sem sentido. Não se esqueça mais: A fim (separado) usa-se sempre quando se fala de finalidade ou desejo (Ela está a fim de tirar 1000 na redação). Afim (junto) usa-se para indicar afinidade,

Leia mais »
Gramática
Claudia Bechler

Pronomes neutros na língua portuguesa | Tema de Redação

O uso de pronomes neutros tem provocado polêmicas, especialmente nas redes sociais. Mostre o que você pensa sobre isso, treinando a escrita da redação. Leia os textos motivadores. Com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo sobre o tema “O uso de pronomes neutros na língua portuguesa”. Use a modalidade escrita formal da língua portuguesa e apresente proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Além disso, selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista. TEXTO 1 Linguagem neutra: proposta de inclusão esbarra em questões linguísticas (…) A linguagem neutra, ou linguagem não binária, não é obrigação imposta por nenhum movimento da causa LGBTQI+. No entanto, trata-se de uma discussão que propõe uma modificação na língua portuguesa para incluir pessoas trans não binárias, intersexo e as que não se identificam com os gêneros feminino e masculino. Assim, a ideia é criar um gênero neutro para ser usado ao se referir a coletivos ou a alguém que não se encaixa no binarismo. Para além do universo preto-no-branco das redes sociais, essa discussão vem crescendo nos últimos anos entre acadêmicos de linguística e estudos de gênero. Certamente, uma crítica

Leia mais »
quando usar aspas na redação
Gramática
Otavio Pinheiro

Você sabe quando usar aspas na redação?

Há algumas semanas, fizemos aqui no blog um apanhado geral sobre o uso dos sinais de pontuação como elemento essencial para conferir sentido à mensagem e à redação como um todo. Hoje, de maneira mais específica, trataremos sobre o uso das aspas, já que elas são aplicadas em situações bastante determinadas, que não podem passar em branco. Afinal, sua falta pode levar a descontos de conceitos. E aí, quer aprender quando usar aspas na redação? Então… Quando usar aspas na redação: casos de uso Existem três usos de maior amplitude no caso das aspas na redação e na modalidade escrita como um todo. São eles: 1- Para marcar citações: As citações são elementos frequentes nas redações, mas é preciso usá-las com bastante cuidado, pois, de acordo com as normas de correção do ENEM, por exemplo, é preciso haver ao menos sete linhas de autoria do candidato, sem nenhuma repetição dos textos motivadores ou outros textos. Ainda que o candidato altere uma palavra ou outra ou mude os sinais de pontuação originais, manter exatamente a mesma ideia, sem evidências de interpretação e compreensão, considera-se cópia da mesma maneira. Ao se incluir no texto uma citação de uma frase célebre, de amplo

Leia mais »

Gramática na Redação: o que priorizar na hora dos estudos?

Os conteúdos gramaticais requeridos, atualmente, nos grandes testes apresentam diferenças significativas. Isso porque, antigamente, cobrava-se com intensidade o conhecimento das regras e de suas exceções. Já hoje em dia, as questões de gramática aparecem num contexto muito mais interpretativo, vinculando a função dos termos dentro de um texto. Basicamente, é a ideia da gramática a serviço do texto e da comunicação. Não se apegar somente às regras, mas entendê-las a partir de um cenário comunicativo é sempre uma boa alternativa. Especificamente no caso da redação, você será avaliado em grandes eixos, como clareza, objetividade, coesão, coerência, nível vocabular, grau de formalidade, entre outros aspectos. Abaixo, temos um compilado dos principais pontos gramaticais requeridos na redação do ENEM e nos principais vestibulares do país. Regência verbal e nominal Saber quais verbos são transitivos diretos e quais são indiretos já é um excelente ponto de partida, porém, apenas isso não é suficiente. É necessário saber também quais as diferenças de sentido ao se utilizar uma preposição ou outra e quais são os vários significados que um mesmo verbo pode assumir dependendo de seu complemento. No caso de substantivos, adjetivos e advérbios, que são as classes gramaticais que compõem a regência nominal, procure

Leia mais »
Regência verbal
Gramática
Otavio Pinheiro

Gramatiquês: tire as suas dúvidas sobre regência verbal

A regência verbal é um aspecto que sempre nos deixa em dúvida e acaba nos prejudicando em nossas redações. Um dos principais motivos por termos essa dificuldade na hora da escrita acontece porque na linguagem oral não costumamos empregar corretamente as regências dos verbos transitivos. Então, para não marcar bobeira na redação do Enem ou do vestibular, chegou a hora de retomar esse conteúdo. A maioria dos verbos da língua portuguesa apresenta apenas uma transitividade, ou seja, uma única regência verbal. Há, porém, os que apresentam múltipla regência. Por isso, fique ligado nessas particularidades da nossa língua e os seus diferentes usos. Em primeiro lugar, vale lembrar que, quanto à regência verbal, os verbos transitivos podem ser: Comemos uma lasanha deliciosa. Comer é um verbo transitivo direto pois não exige que seu objeto seja preposicionado. Telefonei para João. Telefonar é um verbo transitivo indireto pois exige a preposição. No exemplo dado, quem telefona, telefona “para” alguém. Comprei um presente para Mariana. O verbo “comprar” pede dois complementos. Quem compra, compra algo para alguém ou para alguma coisa. Eu corro. O verbo correr não pede objeto. Você até pode falar “Corro todos os dias”, ou outros complementos, mas esses elementos não interferem na transitividade do verbo,

Leia mais »
O que esses 9 memes tem a ver com a gramática?
Gramática
Otavio Pinheiro

O que esses 9 memes tem a ver com a gramática?

As palavras homônimas nos permitem brincar com a troca de sentidos no uso de uma mesma palavra. Uma das formas de ser fazer isso é com o meme das “Coisas com Sentimento”, confira O que esses 9 memes tem a ver com a gramática?! Uma das características da Língua Portuguesa é a grande presença de palavras homônimas, que são aquelas que tem a mesma forma de escrever, porém com significados diferentes. Como, por exemplo, a palavra “manga”, que pode ser uma fruta ou uma parte de uma camiseta ou casaco: “Colhi uma manga bem madura” ou “A manga daquele casaco fica curta em mim”. Outro exemplo é a palavra “gato”. Se formos ao dicionário, vamos ver a descrição de um animal felino. No entanto, utilizamos essa palavra, também, para referenciarmos a beleza de alguém como, por exemplo, “Aquele menino é um gato! ”, ou ainda, para denominar instalações clandestinas, “Ele fez um gato para ter TV a cabo em casa”. Viu só? É a mesma grafia, mas dependendo do contexto tem significados completamente diferentes. Isso possibilita, também, a brincarmos com os sentidos das palavras. Por isso, se fizermos um jogo entre palavras e imagem, conseguimos trocar o sentindo primordial que

Leia mais »
Coesão e Coerência
Gramática
Otavio Pinheiro

Coesão e Coerência

Afinal, o que é coesão e coerência? Quando nosso professor de redação nos fala que nosso texto está sem coesão e/ou sem coerência, temos dificuldade de perceber qual seria, de fato, o problema como o nosso texto. Chega de dúvidas! Confira o post que preparamos exclusivamente sobre esse tópico. Afinal, esses são alguns dos itens avaliados na redação ENEM. De um modo simples, coesão é a forma como um parágrafo está relacionado a outro. Percebemos se o texto está coeso se, ao lê-lo, conseguimos sentir que as ideias de cada parágrafo estão alinhadas entre si, se há harmonia entre os conteúdos expostos. Vale destacar o que aborda a Competência 4 da Redação ENEM: Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. Nesse aspecto vai ser avaliado se o texto está bem articulado e coeso, ou seja, se ele está alinhado do início ao fim, sem contradições ou com termos mal-empregados. E por que que sempre que falamos de coesão logo lembramos de coerência? Isso é simples, pois os argumentos que você escolhe para desenvolver seu texto implicam diretamente em se ele vai ter coerência. Ou seja, um fio condutor entre as ideias lançadas. Por exemplo,

Leia mais »

⏰ O cupom loucura com 40% de desconto acaba em:

  • 00Dias
  • 00Hrs
  • 00Min
  • 00Seg