Conheça pensadores brasileiros e suas obras para ampliar seu repertório sociocultural.

Demonstrar um repertório sociocultural produtivo é uma exigência da redação do Enem. Mesmo em vestibulares, quando a avaliação não é feita por competências, a argumentação precisa ser eficiente. De fato, isso só é possível se você mobilizar uma série de conhecimentos que adquiriu ao longo de sua formação de modo produtivo. Porém, embora muitas pessoas saibam usar ideias estrangeiras em seus textos, poucas surpreendem e destacam pensadores brasileiros nas redações.

Muitos estudantes recorrem a citações consagradas, portanto pouco originais, para o desenvolvimento do texto. Já conversamos por aqui sobre isso e sobre como pode ser um tiro no pé usar sempre as mesmas estruturas prontas. Além de não demonstrar autoria, fica aquele forte sentimento no avaliador de estar lendo sempre mais do mesmo. Assim, para atingir as notas mais altas nas 5 competências e se dar bem nas provas, você precisa fazer algo que todos não estejam fazendo. Por isso, selecionamos alguns pensadores brasileiros para que você amplie suas possibilidades ao debater questões relevantes para a nossa sociedade em seus textos.

E por que é importante conhecer pensadores brasileiros? As provas de redação, incluindo e principalmente a do Enem, solicitam a reflexão sobre temas contemporâneos e que impactam a população nacional. Então, quem melhor para ajudar a falar sobre nós do que estudiosos que conhecem as nossas dificuldades e qualidades? A seguir, acompanhe os nomes que destacamos e não se esqueça de fazer a sua própria pesquisa e ampliar ainda mais as possibilidades! Boa leitura!

1. Lélia Gonzalez

Historiadora e filósofa, a mineira Lélia Gonzalez foi professora universitária. Dedicou-se a pesquisas sobre as temáticas de gênero e etnias. Além disso, Lélia se destacou pela participação no Movimento Negro Unificado (MNU), do qual foi uma das fundadoras. Em  julho de 1978 oficializou a entidade nacionalmente, em ato público. Para ela, o advento do MNU “consistiu no mais importante salto qualitativo nas lutas da comunidade brasileira na década de 70”. A intelectual faleceu em 1994, mas sua obra segue relevante até hoje. Conheça algumas de suas frases memoráveis:

Para falar sobre racismo no Brasil:

Enquanto a questão negra não for assumida pela sociedade brasileira como um todo: negros, brancos e nós todos juntos refletirmos, avaliarmos, desenvolvermos uma práxis de conscientização da questão da discriminação racial neste país, vai ser muito difícil no Brasil, chegar ao ponto de efetivamente ser uma democracia racial.

Para falar sobre desvalorização das classes populares:

Estamos cansados de saber que nem na escola, nem nos livros onde mandam a gente estudar, não se fala da efetiva contribuição das classes populares, da mulher, do negro do índio na nossa formação histórica e cultural. Na verdade, o que se faz é folclorizar todos eles.

Para falar sobre a influência europeia na sociedade brasileira:

A questão do etnocentrismo está presente em qualquer cultura. Na medida em que você é socializado, você recebeu uma carga cultural muito grande, e você vai olhar o mundo através dessa perspectiva crítica.

2. Sueli Carneiro

Doutora em Educação pela USP, é autora da obra “Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil”. Nele, fala dos comportamentos humanos e apresenta os avanços na superação das desigualdades criadas pela prática da discriminação racial. Além disso, é considerada uma das principais autoras do feminismo negro no Brasil. Assim, veja alguns pensamentos dela a seguir. E, para saber mais sobre suas ideias, você pode segui-la no Twitter: @SueliCarneiro

Para discutir a questão racial:

O racismo é um sistema de dominação, exploração e exclusão que exige a resistência sistemática dos grupos por ele oprimidos, e a organização política é essencial para esse enfrentamento.

Para tratar de desigualdades e multiculturalismo:

Indignação sempre foi a palavra que mais me impulsionou. Odeio injustiça.
Luto pela construção de uma sociedade multirracial e pluricultural, onde a diferença seja vivida como equivalência e não mais como inferioridade.

3. Milton Santos

Geógrafo, escritor, cientista, jornalista, advogado e professor universitário brasileiro. É considerado como o maior pensador da história da Geografia no Brasil e um dos maiores do mundo. De fato, entre os pensadores brasileiros, é um que frequentemente aparece nos textos. No entanto, caso você não o conheça, procure saber mais. Além disso, conheça algumas de suas principais ideias abaixo:

O mundo é formado não apenas pelo que já existe, mas pelo que pode efetivamente existir.

A força da alienação vem dessa fragilidade dos indivíduos que apenas conseguem enxergar o que os separa e não o que os une.

Existem apenas duas classes sociais, as do que não comem e as dos que não dormem com medo da revolução dos que não comem.

4. Florestan Fernandes

Por meio da Lei n. 11.325. de 2006, foi declarado patrono da Sociologia brasileira. Além de sociólogo, Florestan Fernandes também era político. Primeiramente, dedicou-se ao estudo etnológico dos índios tupinambá. Posteriormente, a partir da década de 1950, estudava os resquícios da escravidão, o racismo e a dificuldade de inserir a população negra na sociedade, dominada por pessoas brancas.

Sobre as falhas no sistema educacional:

Um povo educado não aceitaria as condições de miséria e desemprego como as que temos.

Sobre a opressão e a possibilidade de superá-la:

Contra as ideias da força, a força das ideias!

5. Rosely Sayão

Psicóloga especializada em educação. Assim, escreve sobre as principais dificuldades da família e da escola no ato de educa. Seus pensamentos podem ser lidos na coluna que ela possui no Estadão. Aqui, destacaremos algumas de suas frases. Mas faça sua parte também! Para isso, leia alguns de seus textos e pesquise mais sobre ela.

Educar é apresentar a vida e não dizer como viver.

Os ensinamentos que precisamos manter são aqueles gerais, relacionados aos princípios e valores. Independentemente das mudanças que ocorreram no mundo, do estilo de vida que as crianças e jovens levam hoje, é preciso ensiná-los a ser honesto, ético, justo, respeitar o outro.

O individualismo e a competição estão no seu auge em paralelo com o poder de consumo. Há uma geração educada dessa maneira e percebe-se que isso não está ajudando a melhorar o mundo, pelo contrário. Então está na hora de a gente repensar isso tudo. Se o mundo ensina a gente a ser competitivo, a gente tem que dar uma vacina para nosso filho, isto é, ensinar a ser cooperativo.

Então, você já conhecia essas ideias? Não? Talvez essa postagem mereça uma nova rodada, hein? Assim você poderá ampliar ainda mais seu repertório e escrever textos únicos! Sobre quais pensadores brasileiros você quer saber mais? Deixe um comentário!

QUERO APRENDER REDAÇÃO!

propaganda redação online

Comentários do Facebook