SOMENTE HOJE: 15% OFF usando o cupom APROVADO15 em todos os planos!

Termos para evitar na redação e como substituir

Termos que não devem usar

As escolhas de palavras na redação impactam fortemente o conteúdo. Portanto, neste artigo, mostraremos palavras a evitar na redação, em nome do respeito, e termos inadequados.

Atualmente, o termo “índio” para referir-se aos nativos brasileiros não é mais apropriado. A linguagem evolui com o tempo, e expressões antes aceitáveis podem se tornar ofensivas conforme a sociedade e sensibilidades mudam.

Nosso objetivo é auxiliar na substituição de expressões que podem ser consideradas desrespeitosas ou ofensivas na redação.

Então, vamos iniciar esta jornada.

Termos para evitar na redação: “Pessoa com deficiência” em vez de “portador de deficiência”

É melhor enfatizar a pessoa e não a deficiência, concorda? Trata-se de uma pessoa antes de ser definida por sua deficiência. Isso demonstra respeito pela individualidade e humanidade da pessoa.

Por exemplo, não use “ceguinho”, “surdinho”, “surdo mudo”, “criança excepcional” (para designar uma Síndrome de Down), “doente mental”, “doente de lepra”.

Prefira

  • pessoa cega ou pessoa com deficiência visual
  • pessoa surda ou pessoa com deficiência auditiva
  • pessoa com deficiência mental
  • pessoa com deficiência física
  • pessoa com hanseníase (o termo “lepra” é proibido por lei no Brasil!)

“Indígena” em vez de “índio”

A palavra índio deriva do engano de Cristóvão Colombo: ele achava que tinha encontrado as Índias, na sua viagem de 1492. Assim, a palavra foi utilizada para designar uma infinidade de grupos indígenas. 

Se você não sabe, os indígenas são bem diferentes entre si – o Instituto Socioambiental (ISA) identificou cerca de 305 etnias indígenas diferentes em 2021!

Então, o termo “indígena” em vez de “índio” indica mais respeito à autoidentificação e valorização da diversidade cultural dos povos indígenas.

Termos para evitar na redação: “Pessoa em situação de rua” em vez de “morador de rua”

Aqui há uma mudança na forma de abordar e se referir às pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade. 

Ao escrever “pessoa em situação de rua” você está reconhecendo que a condição de estar sem moradia é temporária e não define a identidade da pessoa. Assim você respeita a dignidade e a individualidade dela, reconhecendo que é um ser humano com direitos como qualquer outro. 

A expressão “velho” pode ser depreciativa ou pejorativa, isto é, focando mais na idade cronológica do que na própria pessoa.

“Idoso” em vez de “velho”

Esta substituição indica uma abordagem mais respeitosa, positiva e inclusiva ao se referir a pessoas mais velhas. A palavra “idoso” demonstra consideração pela dignidade das pessoas na terceira idade. 

A expressão “velho” pode ser depreciativa ou pejorativa, focando mais na idade cronológica do que na própria pessoa.

Palavras para evitar na redação: “Estadunidense” em vez de “americano”

“Americano” é um termo que inclui todos os que vivem nas Américas, por isso “estadunidense” está sendo preferido para se referir aos moradores dos EUA. 

“Norte-americano” cria um problema semelhante, já que canadenses e mexicanos são tão norte-americanos quanto a população dos EUA – evite-o.

“Comprometer” em vez de “denegrir”

Esta é uma sugestão recente do TSE. A ideia é desvincular o termo “negro” de qualquer conotação negativa. Mas continue usando “negro” ao se referir à etnia que tem pele escura.

Palavras para evitar na redação: “Homossexualismo” em vez de “homossexualidade”

O uso do sufixo “ismo”, comum em termos de doenças como “astigmatismo”, “botulismo”, “alcoolismo”, etc., constitui o problema. Desde 1999, o Brasil não considera mais a homossexualidade uma doença.

Então use “homossexualidade” ou mesmo “gay”, se for o caso.

“Orientação sexual” em vez de “opção sexual”

“Orientação sexual” é ideal, pois se baseia na ideia de que a atração por pessoas do mesmo sexo, do sexo oposto ou de ambos os sexos é uma característica inata e não uma escolha. 

E o fato é que muitas pesquisas científicas apontam para a origem biológica e genética da orientação sexual, portanto não seria mesmo uma escolha. 

Desse modo, o uso do termo “opção sexual” implica, de forma incorreta, uma escolha da orientação sexual da pessoa, algo que a evidência científica não apoia.

Termos que não devem usar: “Soropositivo” em vez de “aidético”

O termo “aidético” pode carregar um estigma negativo e perpetuar estereótipos prejudiciais em relação às pessoas vivendo com a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). 

Usar “soropositivo” é mais respeitoso e ajuda a combater o estigma associado à infecção por HIV.

Além disso, Soropositivo” descreve precisamente o estado de um portador do HIV, indicando a detecção do vírus nos testes de sorologia, mas não implica necessariamente o desenvolvimento da AIDS. Já o termo “aidético” implica o desenvolvimento da doença, ou seja, o que nem sempre acontece.

“Profissional do sexo” em vez de “prostituta”

O termo “prostituta” muitas vezes carrega conotações negativas e estigmatizantes que podem contribuir para a discriminação e a marginalização das pessoas que trabalham na indústria do sexo. 

O termo “profissional do sexo” reconhece adequadamente que pessoas escolhem ou são forçadas a entrar na indústria do sexo por circunstâncias complexas, isto é, sem presumir que todas na indústria são vítimas.

Usar “profissional do sexo” também confere dignidade às pessoas que escolheram essa profissão, como também destaca que têm todos os direitos de qualquer outra.

“Mãe solo” em vez de “mãe solteira”

Esta substituição recente ainda está em processo de assimilação. Por que dizemos “mãe solteira” e não “pai solteiro”?!

Ser solteira ou casada não muda em nada a condição de uma mãe!

Geralmente, percebe-se que o termo “mãe solteira” provoca uma sensação de “pena”, como se ela tivesse sido abandonada, refletindo formas antigas de pensar.

“Dependente químico” em vez de “drogado”

Você também pode preferir escrever “usuário de droga” em vez de “drogado”. Infelizmente “drogado” carrega um forte preconceito e transforma todos os envolvidos em vícios químicos em criminosos – esse é o problema.

“Vulnerável” em vez de “grupo de risco”

A questão é que “grupo de risco” dá a ideia de que existem pessoas que tiveram o azar de passarem por doenças.

Como isso não corresponde sempre à realidade, é  melhor usar o termo “vulnerável” ou ainda “pessoas com comportamento de risco”.

“Comunidade” em vez de “favela”

Nem todos concordam com essa substituição, já que favelas têm sua cultura, sua história, e é um termo que até poetas adotam. E, por outro lado, comunidades não são apenas as favelas!
Mas é verdade também que o termo favela carrega uma ideia de marginalização – uma ideia negativa, por isso é aconselhável evitar.

Conclusão

Por fim, fique atento  ao impacto que essas palavras têm sobre quem já passa por exclusão social normalmente. O que é politicamente correto é bastante questionado, mas o que importa mesmo é entender que as palavras têm poder – tenha cuidado com elas! A melhor forma de saber os termos para evitar na redação é perguntar para quem entende!

POSTS RELACIONADOS

Calendário dos Principais Vestibulares 2024

Primeiramente, sabemos a dificuldade que os vestibulandos enfrentam para se organizar. Por isso, preparamos um calendário completo dos principais vestibulares do Brasil para 2024. Aqui,