SOMENTE HOJE: 15% OFF usando o cupom APROVADO15 em todos os planos!

As disparidades raciais e sociais refletidas na taxa de analfabetismo no Brasil | Tema de redação

analfabetismo no brasil

Proposta de redação 

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “As disparidades raciais e sociais refletidas nas taxas de analfabetismo no Brasil” apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. 

Desse modo, selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para a defesa de seu ponto de vista.

Instruções para redação

  1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
  2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta preta, na folha própria, em até 30 (trinta) linhas.
  3. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para a contagem de linhas. 
  4. Receberá nota zero, em qualquer das situações expressas a seguir, a redação que:
  • 4.1 tiver até 7 (sete) linhas escritas, sendo consideradas “textos insuficiente”; 
  • 4.2 fugir do tema ou não atender ao tipo dissertativo-argumentativo; 
  • 4.3 apresentar parte do texto deliberadamente desconectada do tema proposto;
  •  4.4 apresentar nome, assinatura, rubrica, ou outras formas de identificação no espaço destinado ao texto.

Textos motivadores 

Texto I

Analfabetismo

 Autor: Alceu Ravanello Ferraro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS

O termo “analfabeto” vem do latim e significa literalmente “sem alfabeto”. Historicamente, esse rótulo era reservado a pessoas que, devido a suas posições ou funções sociais, precisavam saber ler e escrever. Contudo, desde o século XVIII, essa exigência se estendeu para a população em geral, marcando uma mudança significativa no entendimento e na abrangência do analfabetismo.

No Brasil pós-1870, ser alfabetizado tornou-se um critério para votar com a Lei Saraiva de 1881, promovida pelo Partido Liberal. Os analfabetos foram excluídos do voto, considerados ignorantes e até perigosos, criando um estigma social duradouro. Paulo Freire, em 1968, criticou essa visão, apontando o analfabetismo como uma expressão de injustiça social. Segundo ele, a alfabetização deveria transcender a simples técnica de ler e escrever, evoluindo para uma ferramenta de reflexão crítica e libertação.

Fonte adaptada: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), acesso em 24 de junho de 2024.

Texto II sobre analfabetismo

No Brasil, 11,4 milhões de pessoas com 15 anos ou mais, ou seja, 7% dessa faixa etária, não sabem ler e escrever uma carta simples. Apesar da redução do problema nas últimas décadas, o Nordeste permanece como a região com a taxa de analfabetismo mais elevada do país, com 14,2%, o que representa o dobro da média nacional. Esses dados, divulgados pelo Censo Demográfico de 2022 na última sexta-feira, apontam também uma melhora comparativa: em 2010, a taxa de analfabetismo era de 9,6%.

Fonte adaptada: G1, acesso em 24 de junho de 2024.

Texto III sobre analfabetismo no Brasil

Segundo dados do Censo, a taxa de analfabetismo entre os indígenas alcança 15,1%, o que é significativamente superior em comparação com outras etnias. Este índice é maior do que os 10,1% observados na comunidade preta e os 8,8% na comunidade parda. Em contraste, as populações branca e amarela apresentam as menores taxas, com 4,3% e 2,5%, respectivamente. Isso mostra que as taxas de analfabetismo para pretos e pardos são mais que o dobro em relação aos brancos, e quase quatro vezes maior para os indígenas.

Fonte adaptada: CNN Brasil, acesso em 24 de junho de 2024.

Texto IV

analfabetismo no Brasil
analfabetismo no Brasil

Fonte IBGEhttps://www.ibge.gov.br/

Repertórios para o tema sobre taxa de analfabetismo no Brasil

Filmes para tirar nota alta na redação do Enem

  • “Cidade de Deus” (2002): Este filme ilustra a vida em uma das favelas mais perigosas do Rio de Janeiro, mostrando como a falta de acesso à educação e as condições socioeconômicas afetam as trajetórias de vida dos personagens.
  • “Que Horas Ela Volta?” (2015): Aborda as questões de classe e desigualdade no Brasil, focando nas oportunidades limitadas para a personagem principal e seu filho, em contraste com as oportunidades educacionais disponíveis para as classes mais altas.

Séries sobre analfabetismo no Brasil

  • “3%” (Netflix, 2016-2020): Esta série brasileira de ficção científica explora um futuro distópico onde jovens competem por uma chance de acessar “O Lado Melhor” da sociedade, onde há oportunidades de educação e uma vida melhor, destacando as barreiras sociais e educacionais.
  • “Irmandade” (Netflix, 2019): Situada nos anos 90, a série mostra a vida em um contexto de marginalidade social e como a falta de educação pode levar à criminalidade.

Legislações sobre analfabetismo

  • Constituição da República Federativa do Brasil de 1988: Garante o direito à educação como um direito fundamental (Art. 205 e 208).
  • Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (Objetivo 4): Propõe garantir uma educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.
  • Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB – Lei nº 9.394/1996): Estabelece as diretrizes para a educação nacional, incluindo o dever do Estado em garantir o ensino fundamental, obrigatório e gratuito.

Clássicos da Literatura para usar na redação sobre esse tema

  • “Vidas Secas” (Graciliano Ramos, 1938): Narra a vida de uma família de retirantes do sertão nordestino, destacando a luta pela sobrevivência e a falta de acesso à educação.
  • “Capitães da Areia” (Jorge Amado, 1937): Mostra a vida de um grupo de meninos de rua em Salvador, explorando como a falta de oportunidades educacionais e sociais molda seus futuros.
  • “O Cortiço” (Aluísio Azevedo, 1890): Relata a vida em uma habitação coletiva no Rio de Janeiro, ilustrando as difíceis condições de vida e a falta de acesso à educação para os moradores, refletindo as desigualdades sociais da época.

Fato Histórico sobre analfabetismo

  • Movimento de Educação de Base (MEB): Iniciado na década de 1960, o MEB foi um esforço conjunto da Igreja Católica e do governo brasileiro para promover a alfabetização entre adultos nas áreas rurais do Brasil, visando reduzir as taxas de analfabetismo e promover a conscientização política e social.

    Argumentos para o tema sobre taxa de analfabetismo no Brasil

    Argumento 1 sobre taxa de analfabetismo no Brasil: desigualdade social

    Causa:
    A desigualdade social, agravada pela distribuição desigual de recursos educacionais, está diretamente relacionada ao alto índice de analfabetismo entre comunidades vulneráveis no Brasil.

    Consequência:
    O analfabetismo limita oportunidades de emprego e participação cívica, perpetuando ciclos de pobreza e exclusão social.

    Solução Possível:
    Investir em educação acessível nas áreas mais afetadas, incluindo a formação de professores e o uso de tecnologias educacionais, pode quebrar o ciclo de desigualdade.

    Repertório:
    Ariano Suassuna destacou como a integração da cultura local na educação pode combater a exclusão. Adaptar métodos educacionais para respeitar e valorizar as identidades regionais promove inclusão e interesse pelo aprendizado.

    Argumento 2: lacuna educacional

    Causa:
    A lacuna educacional no Brasil é agravada pela falta de infraestrutura adequada e pela ausência de programas que incentivem a leitura e a escrita, especialmente em comunidades vulneráveis.

    Consequência:
    Essa deficiência resulta em altas taxas de evasão escolar e em um baixo índice de alfabetização, perpetuando a exclusão social e limitando as oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional.

    Solução Possível:
    Investir em infraestrutura escolar e criar programas de incentivo à leitura e à escrita, adaptados às necessidades locais, pode reduzir a evasão escolar e melhorar a alfabetização. O uso de metodologias participativas e inclusivas, como as propostas por Paulo Freire, pode engajar os estudantes e valorizar seu contexto sociocultural.

    Repertório:
    Paulo Freire destacou a importância de uma educação que vá além da simples transmissão de conhecimentos. Ele defendia uma pedagogia que considera o aluno um agente ativo no processo de aprendizagem, promovendo a conscientização e a transformação social. Aplicar esses princípios pode ajudar a preencher a lacuna educacional.

    Por fim, agora que você está bem informado sobre todos os aspectos a respeito do tema da redação sobre as disparidades raciais e sociais refletidas nas taxas de analfabetismo no Brasil, que tal colocar seus conhecimentos em prática? Ao acessar o nosso site, você terá a oportunidade de ter sua redação corrigida pela mais renomada e eficiente plataforma de correção do Brasil..

    POSTS RELACIONADOS

    Calendário dos Principais Vestibulares 2024

    Primeiramente, sabemos a dificuldade que os vestibulandos enfrentam para se organizar. Por isso, preparamos um calendário completo dos principais vestibulares do Brasil para 2024. Aqui,