SOMENTE HOJE: 15% OFF usando o cupom APROVADO15 em todos os planos!

TEMA DE REDAÇÃO – DOAÇÃO DE ÓRGÃOS NO BRASIL

Com base nos textos motivadores abaixo, produza uma redação dissertativo-argumentativa sobre o tema: DOAÇÃO DE ÓRGÃOS NO BRASIL.

Doação de órgãos no Brasil: taxas de doadores e dilemas no país

O número de doadores efetivos de órgãos no Brasil subiu de 13,1 por milhão de habitantes para 14 por milhão no segundo trimestre de 2016, segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). “Essa taxa de doadores efetivos vinha caindo ao longo de 2015, se estabilizou no primeiro trimestre de 2016 e começou a subir agora, no segundo trimestre deste ano”, disse hoje (22) o coordenador da Comissão de Remoção de Órgãos da ABTO, José Lima Oliveira Júnior. Apesar do aumento, o número de doadores efetivos ficou abaixo do esperado para o período, de 16 por milhão de habitantes, e longe do considerado ideal. Além disso, os transplantes feitos caíram no segundo trimestre, assim como o total de potenciais doadores, principalmente nos estados mais populosos do país (São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais). Os dados são levantados pela ABTO e pelo Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde. O número de brasileiros na fila aguardando um órgão aumentou este ano em comparação ao primeiro semestre de 2015, de 32 mil pessoas para 33.199. Em números absolutos, a maior fila é para receber córneas e rim, seguida de fígado, coração, pulmão, pâncreas e intestino. Nem todos os órgãos doados podem ser aproveitados. No último semestre, 71% dos órgãos doados no Brasil não puderam ser utilizados porque o processo exige uma série de cuidados e infraestrutura para que os órgãos possam ser removidos e os transplantes feitos. “O doador precisa ser mantido em um ambiente adequado, precisa de ventilação mecânica, de medicamentos para ajustar a pressão, de infraestrutura que permita manter a temperatura do corpo, precisa de reposição hormonal, muitas vezes de transfusão de sangue, de dieta enteral”, listou o médico. Muitas vezes, o local onde o doador está não tem a infraestrutura necessária e quando a equipe chega para fazer a remoção do órgão, ele não é mais viável. “É preciso melhorar esse sistema.”

Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-08/cresce-taxa-de-doadores-efetivos-de-orgaos-mas-ainda-esta-longe-do-ideal

banner-blog-09

Exemplo de redação do Enem sobre doação de órgãos no Brasil

O número de pacientes brasileiros na fila de espera aguardando uma doação compatível de órgãos crescem ano após ano. Tal fator é atenuado pela falta de infraestrutura em alguns hospitais em lidar com possíveis doadores. Essa realidade tem tirado a esperança de pessoas que aguardam anos por uma doação.
Em primeira análise, a complexidade em manter centros especializados na saúde, afastados dos grandes aglomerados urbanos, torna-se um impasse. Dessa forma, em casos de possível doador nessa região afastada dificulta a logística de transporte de órgãos ao paciente, visto que é uma corrida abrupta contra o tempo. Essa problemática é fruto da inoperancia do Sistema Básico de Saúde que dispõe de uma infraestrutura precária no Brasil, símbolo da má adiministração pública, e portanto, dificulta o processo de doação de órgãos no país.
Em outra perspectiva, o consentimento de familiares em aceitar a doação de órgãos de um ente querido ainda é um impasse a ser desfeito, pois, boa parte desses indivíduos ignoram o fato da importância em doar órgãos pelo apego ao falecido. Tal ideia, deve ser discutida em família antes mesmo de um possível acontecimento, já que não é possível prever essa realidade, mas, que devem estar prontos para qualquer casualidade. No entanto, a falta de informação é prospero no Brasil pela falta de atuação das instituições públicas que podem disseminar esse tipo de informação.
Fica evidente, portanto, a necessidade de mudar esse cenário assim como afirma o filósofo Heráclito de Éfeso, “Nada é permanente, salvo a mudança”. Sendo assim, o Ministério da Saúde, através dos recursos públicos existentes, deve incrementar um novo padrão de saúde pública nesse país, com mais infraestrutura, no intuito de amenizar os efeitos da complexidade na doação de órgãos no Brasil. Ademais, o Ministério da Saúde pode fortalecer as campanhas publicitárias que fortalecem o desejo de ajudar o próximo através da doação de órgãos, no intuito de mistigar o consentimento em ser um doador.

Leia também:

Perguntas frequentes

Como está a doação de órgãos no Brasil?

Embora mais de 59 mil pessoas estejam na fila para o recebimento de órgãos, atualmente, no Brasil o número de doadores não é alto. Segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), em 2021, 43% das famílias que tiveram parentes vítimas de morte encefálica se negaram a fazer a doação de órgãos.

O que impede a doação de órgãos no Brasil?

Na maioria das vezes, o que impede a doação de órgãos no Brasil é a proibição da família do falecido.

Quais os requisitos para doação de órgãos?

No Brasil, a retirada de órgãos somente pode acontecer com autorização familiar. Isso acontece ainda que a pessoa tenha dito, em vida, que gostaria de ser doador.