O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

A reinserção de ex-presidiários na sociedade brasileira

"No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho". De maneira análoga ao trecho do poema de Carlos Drummond de Andrade, é possível estabelecer uma relação entre as pedras e os desafios para a reinserção de ex-presidiários na sociedade brasileira. Nesse sentido, tanto a omissão governamental, quanto o preconceito são entraves no tocante à resolução do problema. 



    Em primeiro lugar, destaca-se o descaso do Estado como agravante desse imbróglio. Sob esse viés, o sociólogo alemão Dahrendorg, no livro "A lei e a ordem", afirmou que a anomia é a condição social em que as normas reguladoras dos comportamentos das pessoas perdem sua validade. Consoante a esse pensamento, nota-se que as leis que garantem a reinserção de ex-presidiários na sociedade não seja um problema encontram-se em um estado de anomia, pelo fato de serem infrigidas, por vezes, sem qualquer punição ao infrator.



    Ademais, outro fator a salientar é o preconceito. De acordo com Zugmunt Bauman, sociólogo polonês, a falta de rigidez nas relações sociais, políticas e econômicas são características da "Modernidade líquida" vivida no século XXI. Diante de tal contexto, o preconceito da coletividade é um impulsionador, haja vista que, ela não permite que os ex-presidiários trabalhem em suas lojas, convivam com os indivíduos e etc. Por conseguinte, perpetuando esse cenário antagônico.



    É evidente, portanto, que medidas são necessárias para atenuar a problemática. Destarte, o Governo Federal, responsável por garantir o bem-estar da população, deve promover campanhas de conscientização por meio da mídia a fim de que o tecido social se desprenda de certos tabus para que não viva na realidade das sombras, assim como na alegoria da caverna de Platão. Somente assim, as pedras serão retiradas do meio do caminho. 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!