logo redação online

dicas de gramática

Regras de acentuação: saiba quando acentuar as palavras

As regras de acentuação da língua portuguesa causam muitas dúvidas entre os estudantes, não é à toa que seu uso está entre os erros mais comuns de redação. Saber usar corretamente a acentuação das palavras faz parte dos critérios da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa, cobrada no Enem, concursos e vestibulares. No geral, as regras de acentuação indicam a posição da sílaba tônica das palavras, ou seja, aquela que possui maior intensidade sonora na pronúncia. Há regras específicas para as palavras oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas. Confira, a seguir, as regras de acentuação de acordo com o Novo Acordo Ortográfico e os tipos de acentos gráficos usados em nossa língua. Boa leitura! Regras de acentuação das palavras oxítonas As palavras são consideradas oxítonas quando a última sílaba é tônica. Por exemplo: café, chaminé, colar e dormir. Perceba que nem todas as palavras do exemplo recebem acento gráfico. Agora, veja a seguir como saber quando levam acento ou não. Palavras oxítonas com acento gráfico As palavras oxítonas recebem acento gráfico em três casos específicos: 1 – Sílaba tônica terminada em vogais tônicas (-a, -e ou -o) Recebem acento as palavras com sílaba tônica terminadas em vogais tônicas (-a, -e ou -o),

Leia mais »

Uso dos Porquês na redação: quando usar Por que, Porquê, Por quê e Porque

  Você tem dúvidas sobre o uso dos porquês? Essa é uma regra gramatical que causa muita confusão entre os estudantes que estão prestando vestibulares, concursos ou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Afinal, na língua portuguesa existem quatro tipos de porquês – “por que”, “porquê”, “por quê” e “porque” – e o uso de cada um vai depender do sentido que pretendemos dar a um enunciado. É bem provável que você já se perguntou quando usar cada um, não é mesmo? Para você não errar mais no uso dos porquês na redação ou até mesmo nas questões objetivas dos exames, fizemos este artigo explicando quando usar cada um. Você confere também exemplos e dicas para não cometer mais esse erro. Continue a leitura!   Quando usar “por que” separado e sem acento   O “por que” separado e sem acento é sempre usado para expressar “motivo” ou “razão”. Pode ser usado no início das frases interrogativas diretas (com ponto de interrogação no final) ou no meio das frases interrogativas indiretas (finalizadas com ponto final).  Nesse sentido, “por que” é usado em perguntas ou como pronome relativo, uma vez que ele pode ser substituído pelas expressões “pelo qual” ou

Leia mais »
vícios de linguagem na redação
Dicas de Estudo
Marina Dias

Vícios de linguagem: como evitá-los na redação?

Alguém já chamou a sua atenção por repetir muito uma palavra? Cuidado, isso pode ser um vício! Entre todos os erros gramaticais, os vícios de linguagem são os mais comuns em ambientes formais. Em geral, são palavras que não correspondem à norma-padrão da língua portuguesa e são muito usadas na fala e na escrita sem que a pessoa emissora perceba. Saber identificar esses desvios é fundamental para evitá-los em ambientes que exigem e avaliam a linguagem formal. Mas, afinal, o que são esses vícios de linguagem? Como se classificam? E como evitá-los? Continue a leitura do texto e descubra!   O que são vícios de linguagem?   Os vícios de linguagem são desvios da norma-padrão cometidos de maneira não intencional pela pessoa que emite a mensagem na fala ou na escrita, causando ruídos na comunicação e outros problemas relacionados à coesão e coerência. São considerados “vícios” por serem palavras e expressões usadas de maneira repetitiva, geralmente por falta de atenção ou falta de conhecimento da língua. Por serem contrários à norma-padrão, os vícios de linguagem devem ser evitados em contextos formais – como em uma reunião de trabalho, no ambiente acadêmico ou em redações de vestibulares, concursos e Enem –,

Leia mais »
conteudos-gratuitos-para-estudar-durante-a-quarentena
Dicas de Estudo
Otavio Pinheiro

Conteúdos gratuitos para estudar redação e gramática na quarentena

É claro, ninguém está feliz ou tranquilo diante de toda a situação que temos vivido no Brasil por conta da pandemia do Coronavírus. Sabemos que o isolamento é importante, mas traz uma série de questões relevantes relativas a ele. Porém, mesmo vivendo num contexto bastante desconfortável para todos, algumas instituições resolveram fazer algo para ajudar as pessoas que estão reclusas em casa e lançaram ou liberaram cursos gratuitos. Todos os cursos acontecem totalmente on-line, a maioria sem restrição de idade e com cadastro bastante simplificado. Alguns inclusive disponibilizam certificados ao fim (sempre verifique se a certificação também é gratuita, pois isso pode variar). Vamos conhecer as melhores opções que estão disponíveis para nós? Fundação Bradesco (ev.org) A Fundação Bradesco já é bastante tradicional quando falamos de cursos on-line gratuitos, pois, antes mesmo da pandemia, ela já oferecia opções de qualidade a todos os interessados. Os cursos abrangem diversas áreas, mas, como aqui estamos pensando no ENEM e nos vestibulares que estão vindo logo mais por aí, recomendamos os seguintes: – Biologia: Alimentação e saúde Esta opção é excelente para revisar a relação entre os nutrientes que compõem a nossa alimentação e o impacto direto na saúde como um todo, mas

Leia mais »
Regência verbal
Gramática
Otavio Pinheiro

Gramatiquês: tire as suas dúvidas sobre regência verbal

A regência verbal é um aspecto que sempre nos deixa em dúvida e acaba nos prejudicando em nossas redações. Um dos principais motivos por termos essa dificuldade na hora da escrita acontece porque na linguagem oral não costumamos empregar corretamente as regências dos verbos transitivos. Então, para não marcar bobeira na redação do Enem ou do vestibular, chegou a hora de retomar esse conteúdo. A maioria dos verbos da língua portuguesa apresenta apenas uma transitividade, ou seja, uma única regência verbal. Há, porém, os que apresentam múltipla regência. Por isso, fique ligado nessas particularidades da nossa língua e os seus diferentes usos. Em primeiro lugar, vale lembrar que, quanto à regência verbal, os verbos transitivos podem ser: Comemos uma lasanha deliciosa. Comer é um verbo transitivo direto pois não exige que seu objeto seja preposicionado. Telefonei para João. Telefonar é um verbo transitivo indireto pois exige a preposição. No exemplo dado, quem telefona, telefona “para” alguém. Comprei um presente para Mariana. O verbo “comprar” pede dois complementos. Quem compra, compra algo para alguém ou para alguma coisa. Eu corro. O verbo correr não pede objeto. Você até pode falar “Corro todos os dias”, ou outros complementos, mas esses elementos não interferem na transitividade do verbo,

Leia mais »

⏰ O cupom loucura com 40% de desconto acaba em:

  • 00Dias
  • 00Hrs
  • 00Min
  • 00Seg