Olá, Aluninho!

Agora você já sabe que, pra começar uma redação, não basta baixar a cabeça a escrever, pois é preciso se planejar, né?  Como prometido, chegou a hora de pegar na sua mãozinha e te mostrar como fazer cada uma das partes dela. Obviamente, vamos começar pelo começo (faça isso na sua redação também, tá?) e falar da introdução. Não por acaso a foto que introduz esse texto é um tapete vermelho, justamente porque queremos que a sua introdução deite o tapete vermelho no chão pros seus argumentos passarem. 

Você já viu um atacante fodástico de um grande time de futebol que não sabe as regras do impedimento? Não, né? Porque simplesmente não dá para entrar em campo sem saber as regras do jogo. Sabia que, quando se pensa em redação, também é assim?

Pois é, coleguinha. Para escrever uma boa redação, você precisa saber para que serve cada parte dela. Caso contrário, corre o risco de começar a argumentar na introdução ou terminar o seu texto sem conclusão e deixar o seu corretor pensando que você não está muito bem das ideias. Então, justamente para que isso não aconteça, fica ligado nas dicas abaixo.. Bora?

  1. Afinal, o que deve ter na introdução?

É bem comum a gente ouvir e/ou ler por aí que, na introdução, você deve simplesmente apresentar o tema. Tá errado? Não. Mas também não tá certo.

Sim, tem que contextualizar o tema, mas isso não basta. Se estamos falando de um texto dissertativo-argumentativo, lembre-se sempre que a estrela principal dele é a sua tese, que, usando uma palavra mais simples, nada mais é do que a sua opinião sobre o tema. Não sabe elaborar a tese? A gente vai te ajudar com isso em breve, mas, enquanto isso, seguem alguns spoilers:


              2.  É exemplo que você quer?

Então lá vai:

A violência contra a mulher no Brasil tem apresentado aumentos significativos nas últimas décadas. De acordo com o Mapa da Violência de 2012, o número de mortes por essa causa aumentou em 230% no período de 1980 a 2010. Além da física, o balanço de 2014 relatou cerca de 48% de outros tipos de violência contra a mulher, dentre esses a psicológica. Nesse âmbito, pode-se analisar que essa problemática persiste por ter raízes históricas e ideológicas.

Essa lindeza de introdução acima traz a combinação contextualização do tema + tese de um jeito bem claro. Não conseguiu identificar quem é quem ali? Tá bom, a gente te dá essa colher de chá:

Contextualização do tema:

“A violência contra a mulher no Brasil tem apresentado aumentos significativos nas últimas décadas. De acordo com o Mapa da Violência de 2012, o número de mortes por essa causa aumentou em 230% no período de 1980 a 2010. Além da física, o balanço de 2014 relatou cerca de 48% de outros tipos de violência contra a mulher, dentre esses a psicológica.”

Até aqui, tudo o que rolou foi uma ótima apresentação do tema. Ao ler isso, o leitor já consegue sabe que o texto vai falar sobre violência contra a mulher. Uma dica quente: nunca apresente o tema sem citar diretamente o nome dele no momento da contextualização.

Se o tema fala de violência contra a mulher, não deixe de escrever “violência contra a mulher” no momento em que for apresentá-lo, por exemplo.

Tem dificuldade para delimitar o tema e o confunde com o assunto? Neste vídeo, a professora Josi te ajuda com isso:

Tese: “Nesse âmbito, pode-se analisar que essa problemática persiste por ter raízes históricas e ideológicas.”

Olha a tese aí, minha gente. A afirmação de que a violência contra a mulher persiste por conta de raízes históricas e ideológicas é fruto da percepção que o aluno tem sobre o tema, que é baseada no seu conhecimento e na sua constituição enquanto indivíduo. Isso não estava na proposta. É a opinião dele, ou seja, é a TESE dele. Então, assim que você identificar o tema, já se pergunta logo o que você pensa sobre ele. E, não esquece, se estamos falando de texto dissertativo-argumentativo, nada de bancar o isentão e ficar em cima do muro, ok? Posicione-se!

Além disso, olha outra coisa bem linda nesse exemplo: reparou que os dois argumentos estão anunciados ali? Raízes históricas: argumento 1. Raízes ideológicas: argumento 2. Quando você apresenta os argumentos desse jeito na introdução, seu texto fica lindamente “amarradinho”, o que, no caso do ENEM, vai te ajudar a ganhar pontos na competência 3. Tá apaixonado por essa introdução? Também estamos.

E daqui pra frente você vai fazer introduções tão maravilhosas quanto essa.

“aaaai, mas como vou fazer introdução maravilhosa se eu não sei contextualizar e fazer uma tese?”

Não fique aflito, bebê. Sobre a tese, a gente já prometeu para você (e, no Redação Online, promessa é dívida!) que vai falar mais em breve, mas os spoilers dados pela professora Josi nos vídeos que indicamos acima são maravilhosos e já vão te ajudar muito. Quanto à contextualização, nosso blog tem um textinho querido com vários modelos. Leia com calma e veja que vai ser tão divertido quanto escolher sorvete no buffet. Dá pra usar dados, alusão histórica, citação, comparação, perguntas etc.

Eu sei que ia parecer mais fácil se a gente apresentasse um modelo pronto e dissesse: ó, faz sempre isso aí. Mas aqui, no Redação Online, a gente não trata redação como “receita de bolo” porque quer que você aprenda de verdade. E, acredite, ter escolha é muito bom! Pensa com a gente: imagine que você, na hora da prova, olha para o tema e fica alegre porque sabe bastante sobre o contexto histórico que o envolve. Mas, em seguida, você lembra que decorou como se faz introdução com contextualização que usa dados, então não rola inserir uma referência histórica. Vai ser tipo isso:

Por isso, a gente tá aqui pra te ajudar a dominar várias estratégias e, na hora H, poder escolher qual delas é mais adequada e, o mais importante, com qual delas você se sente mais confortável para trabalhar. Agora vamos deixar de blá blá blá porque tá na hora de você produzir. Aplique o que conversamos aqui no seu próximo texto e envie para o nosso site. Estamos esperando!

QUERO MELHORAR MINHA ESCRITA!

Comentários do Facebook