O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

O retrocesso com o preconceito linguístico no Brasil

No Brasil, o preconceito linguístico tenha sido muito debatido nos últimos anos. A discordância contra a variação linguística vem daqueles que defendem a gramática normativa como um único padrão para escrever, falar e se comunicar. Nota-se que essa ideia, consequentemente, causa a exclusão social, afetando, principalmente, as regiões brasileiras como Norte e Nordeste. Ademais, comete o descaso e extremo preconceito com indivíduos de zonas rurais, nível baixo de escolaridade e de analfabetos.
"O certo é falar assim porque se escreve assim" Este é um dos mitos citado por Marcos Bagno em seu livro sobre preconceito linguístico. Erro que estar contido veemente na sociedade, sendo afirmado que o modo de falar, a linguagem, deve ser de acordo com a escrita, gramática normativa. Entretanto, a variação linguística não pode ser desestruturada por tantas regras gramaticais, isso provoca uma grande exclusão social e perda da autenticidade cultural brasileira. Porquanto, além dos costumes e tradições o que torna as regiões diferentes e únicas é a própria linguagem variada de seu povo, como a região Nordeste.
Outra preocupação constante é o fato que muitos indivíduos das zonas rurais, baixo nível de escolaridade e analfabetos são as primeiras vítimas desse preconceito. Diante da sociedade, escolas e trabalhos, essas pessoas se encontram no medo, vergonha, repreensão, zombadas e desprezadas a serem julgadas como erradas e desprovidos de conhecimento segundo seus julgadores que idealizam a linguagem. Essa situação estimula a degradação da educação e igualdade no país.
Portanto, o preconceito linguístico se tornou uma ameaça para a avaliação linguística, que poderia ser estudada e aceitável, mas acaba sendo reprimida e desvalorizada por intolerantes e tradicionais da gramática. Para a melhor valorização e pôr o fim no preconceito, é necessário que a variação linguística seja priorizada pelo Ministério da Educação (MEC) e ter produções de livros didáticos com o reconhecimento, estudo completo e a desvantagens do preconceito linguístico, é certo também a chamada dos professores a colocarem em sala de aula a importância desse assunto e cursos para os mesmos, para tomar conhecimento mais profundo e ético, não ficando somente a gramática normativa como primordial na educação nacional. Dessa forma, há possibilidades da redução do preconceito e evolução da igualdade e moral entre as regiões no país.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!