O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

TEMA: Desafios da mobilidade urbana no Brasil


Com a expansão do setor rodoviário, promovida no governo de Juscelino Kubitschesk, no século XX, o número de carros cresceu exponencialmente nos grandes centros brasileiros. Conquanto, esse fato tem acarretado, ao longo dos anos, sérios problemas de mobilidade urbana, observados na dificuldade de locomoção de pedestres e na limitação do fluxo em horários específicos. Nesse contexto, a extensa quantidade de transportes individuais, bem como a mínima aplicação de verbas para o melhoramento de transportes públicos são pontos relevantes, nessa problemática, que precisam ser avaliados.


Em primeiro plano, é nítido que a supervalorização do transporte automobilístico é um fator determinante para os entraves da mobilidade nas cidades. Destarte, o "status" proporcionado com a obtenção de carros individuais, em especial após a política rodoviária, na década de 1960, somado a ausência de meios de locomoção públicos viáveis e seguros, são estímulos para o crescimento significativo de veículos próprios. Nesse sentido, o aumento de acidentes, congestionamento e o agravamento da poluição atmosférica estão entre os principais resultados negativos do uso exacerbado dessa modalidade que, segundo o Observatório das Metrópoles, dobrou em quantidade nos últimos dez anos. Com isso, é imprescindível a atuação não só da gestão pública, como também dos cidadãos, na redução do alto contingente de transportes individualizados, a fim de restringir a sobrecarga do espaço.


Outrossim, vale ressaltar que o mínimo investimento em transportes alternativos corroboram, igualmente, nos entraves da mobilidade urbana. Sabe-se que o processo de êxodo rural, no século XX, gerou um grande aumento populacional nos grandes centros que, junto a falta de planejamento, por parte do Poder Público, acarretou na desordem, sobretudo, na movimentação urbanística. Em consequência disso, o que tem se observado, na contemporaneidade, é o descaso, em muitos lugares, na garantia de melhor eficiência no deslocamento da população que, além de enfrentar grandes distâncias, faz o uso de transportes públicos precários, inseguros e, em vezes, com preços altos, desproporcional ao grau socioeconômico de grande parte dos usuários. Nesse viés, é lamentável que a reduzida aplicação de verbas em modalidades de locomoção coletivas seja um fator para a perpetuação dos desafios na deslocação urbana no Brasil.


Por conseguinte, é notório que ações são necessárias para modificar os quadros negativos da mobilidade urbana no país. Dessa maneira, é dever do Ministério de Infraestrutura, em auxílio de Governos Estaduais e Municipais, impor, por meio de políticas públicas concretas e com pautas definidas, a aplicação de investimentos nos transportes coletivos nacionais, tornando-os mais viáveis, através do maior policiamento para garantia de segurança e preços favoráveis para toda à população, no intuito de modificar os obstáculos vigentes e, assim, induzir mais cidadãos a optarem pelo uso desses transportes, ao invés de veículos individuais. A partir disso, espera-se proporcionar alteração nesse cenário conflitante e, junto a isso, desfazer concepções de enaltecimento, impostas historicamente, ao transporte automobilístico.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!