O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

Tema: Gravidez na adolescência em evidência no Brasil




Promulgado pela ONU em 1948, a declaração universal dos direitos humanos garante a todos os indivíduos o direito ao bem-estar social. Entretanto, a crescente porcentagem de gravidez na adolescência, no Brasil contemporâneo, impossibilita que parte da pupulação desfrute desse direito universal na prática. Por isso, é relevante uma análise dos aspectos que corroboram essa problemática, para que uma sociedade integrada seja alcançada.


A pincípio, na antiga Grécia, o casamento, consequentemente, a gravidez precoce eram considerados normais, além de ser muito incentivado. Atualmente, conforme relatório da União das Nações Unidas, o casamento de pessoas menores de 18 anos é proibido, tendo em vista que a gravidez acompanha a união matrimonial. Porém, o Brasil tem 68,4 bebês nascidos de mães adolescentes a cada mil meninas de 15 a 19 anos, diz relatório da Organização Mundial da Saúde. Infere-se, pois, uma ignominiosa displicência não só do corpo social, mormente dos familiares, mas também do poder governamental.


Hodiernamente, é preciso destacar a influência da mídia na sexualização do corpo, e da internet que proporciona acesso facilitado a sites pornográficos, por conseguinte, coagindo os adolescentes a praticarem sexo muito cedo sem as devidas informações e cuidados. Ademais, o jovem tem o desenvolvimento psicosocial afetado e danos físicos podendo levar à morte. Além disso, seus filhos têm mais risco de ter uma saúde mais frágil e cair na pobreza. Segundo o físico Albert Einstein, a prevenção é uma atitude muito mais sábia que o combate ao problema. Dessa maneira, é imprescindível campanhas de prevenção a gravidez precose para garantir a qualidade de vida dos jovens.



Portanto, fica evidente, que ainda há entraves para a concretização de um país integrado e mais empático no sentido de estar realmente próximo da população. Urge do Governo Federal, que tem como finalidade regrar e organizar a sociedade, por meio da aprovação no congresso nacional, realocar sua visão a origem do problema, promovendo ações coletivas nas escolas como palestras e apresentações lúdicas, com profissionais da saúde e familia, de forma que traga o máximo de informações desde cedo aos adolescentes sobre malefícios a curto e longo prazo do sexo sem proteção. Assim, a sociedade jovem brasileira poderá garantir o exercício da cidania e ultrapassar atuais paradigmas.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!