O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

Na série "Grey´s Anatomy", um garoto de 10 anos sobreviveu a um câncer graças a doação de órgãos de um paciente que sofreu morte cerebral. Dessa maneira, fora da ficção, muitas vidas podem ser salvas pela doação de órgãos. Entretanto, a falta de informação e a ineficácia das campanhas não colaboram com essa causa.


Em primeiro plano, a falta de informação é a principal causa para não doação de órgãos. Isso ocorre, porque muitas pessoas não acreditam no diagnóstico de morte encefálica, crendo que o paciente vai acordar. Desse modo, a falta de informação é evidente, pois de acordo com o médico nefrologista Roberto Manfro: "o diagnóstico de morte encefálica no Brasil é um dos mais seguros do mundo". Consequentemente, pela demora na doação, muitos órgãos de pouca duração, como o coração e o pulmão, acabam se perdendo.


Além disso, a falta de campanha efetiva é outro agravante. Isso acontece, pois o Ministério da Saúde omite informações importantes em suas campanhas e simplificam com apenas a frase "Doe órgãos". Dessa forma, os cidadãos não possuem informações como, por exemplo, que o fígado se regenera em caso de doação de uma parte e que as pessoas conseguem viver com apenas um rim. Assim, não é à toa, que muitas pessoas evitam a doação por medo de complicações ou até a morte.


Urge, portanto, a necessidade do aumento de doações de órgãos no Brasil. Logo, cabe ao Ministério da Educação, em parceria com as Universidades de Medicina, criarem campanhas midiáticas com todas as informações sobre doação, inclusive depoimentos de pessoas que sobreviveram graças a ela, para que assim os números de doadores sejam maior que aqueles que esperam na fila de transplante. Por fim, a solidariedade não estará presente apenas em ficção, mas também na vida real.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!