O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

"A questão do Índio no Brasil Contemporâneo"

"O homem é o lobo do homem", quando Thomas Hobbes fez essa afirmação no século XVII, não imaginava quão contextualizada ela estaria em uma discussão acerca da questão do índio no Brasil contemporâneo. A saber, na primeira fase do Romantismo, no século XIX, criou-se uma imagem do índio de forma heroica na poesia, a fim de associa-la à construção de um sentimento nacionalista no Brasil. No entanto, tal imagem foi consolidada apenas no plano literário e não no âmbito social, uma vez que este ainda é marginalizado pela população atualmente. Nesse contexto, nota-se que é preciso reavaliar seu espaço e importância, visto que a cultura indígena é parte constituinte da identidade brasileira.
É sabido que, desde o século XVI, início do processo colonizador no Brasil, a imposição de portugueses sobre os nativos se deu partir da opressão: a sobreposição religiosa, linguística e a exploração do trabalho indígena de forma compulsória com fins comerciais. Inegavelmente, o reflexo histórico contribuiu para que os índios perdessem seu espaço e fossem subjugados pelo uso da violência. Logo, essas ações culminaram em um contínuo extermínio da cultura desses povos e, consequentemente, resultando em uma visão estereotipada e até folclórica desses grupos que persiste nos dias de hoje.
Além disso, a luta por territórios tornou-se um problema cultivado pelas relações de poder. Por exemplo, o agronegócio é uma das principais atividades econômicas do país, no entanto, a expansão clandestina de fronteiras agrícolas nas regiões destinadas aos índios resulta muitas vezes em conflitos violentos e perda de territórios. Dessa maneira, tal fato contraria os Direitos Constitucionais, que garantem a posse dos índios sobre a terra tradicionalmente já ocupada e evidencia que, por vezes, os interesses ruralistas se sobrepõem aos direitos de proteção assegurados legalmente. Entretanto, a mobilização indígena obteve resultados recentes, de tal forma que em abril deste ano, o Presidente Michael Temer homologou a posse permanente de terras aos índios "Guatós" no Mato Grosso.
A valorização do índio é, portanto, imprescindível para alterar o cenário vigente. Diante disso, é fundamental que o Ministério da Educação promova ações que recuperem a memória cultural do povo indígena, através de palestras, seminários e aulas de história e sociologia, promovendo, assim, o entendimento dessa problemática entre crianças e jovens. Ademais, a mídia, através de seu poder persuasivo e em parceria com a FUNAI, deve levar conhecimento e informação ao público, fazendo uso de campanhas publicitárias. Outrossim, com o intuito de assegurar a proteção às terras, é necessário que o Governo, representado pelo Poder Judiciário, cumpra o que estabelece a C.F./88, garantindo os direitos reservados aos nativos. Tudo isso a fim de que a marginalização dos índios no Brasil contemporâneo seja minimizada.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!