O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

A discriminação contra a população LGBT no Brasil tem apresentado aumento significativo nas últimas décadas, tornando-o líder mundial de homicídios. De acordo com o Mapa da Violência no período de dez anos, entre 2006 e 2016 o número de homicídios passou de aproximadamente 110 para 350. Além das agressões físicas o balanço de 2016 relatou cerca de 68% de outros tipos de violência contra LGBT, como a psicológica. Nesse âmbito, pode-se analisar que essa problemática persiste por ter raízes culturais e providas por leis.
Nesse sentido, culturalmente o crescimento da homofobia no Brasil, associa-se com o patriarcalismo da sociedade, a organização familiar em torno do homem, o machismo e o conservadorismo. Com isso, urge também os religiosos mais radicais, tanto católicos como evangélicos, a homossexualidade se designa como uma ameaça aos valores morais desses grupos.
Consequentemente, a punição para a discriminação é dificultada pelos traços culturais, e assim, a liberdade para o ato é aumentada.
Além disso, uma das maiores discriminações estão relacionadas às leis com a chamada "cura gay", que sugere que a homossexualidade é uma doença e necessita ser tratada, segundo a OMS apenas em 1991 a homossexualidade foi retirada da Classificação Internacional de Doenças. Por conseguinte, é preciso combater a discriminação contra a população LGBT contemporânea.
Pode-se perceber, portanto, que as raízes culturais e impostas por leis brasileiras dificultam o combate à homofobia no país. Para que essa erradicação seja possível, é necessário que o MEC insira debates permanentes no currículo escolar para lutar contra o preconceito com a população LGBT e passe a difundir campanhas em ambientes públicos, trabalho0000 escolas0000 hospitais, entre outros, uma vez que orientando a população a respeitarem as escolhas alheias evitam agressões físicas e psicológicas. Ademais é preciso que o Poder Legislativo insira leis a favor do aumento a punição de agressores, para que seja possível diminuir a reincidência. Quem sabe, assim, o fim da violência contra homossexuais deixe de ser uma utopia para o Brasil.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!