O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema livre

Nos sempre expressivos dizeres de Sócrates, a reflexão é necessária à vida, e, assim sendo, uma ponderação que se mostra relevante é acerca dos efeitos da existência de padrões estéticos na sociedade. Nesse plano, cabe analisar duas questões para uma abrangente compreensão da temática: a imposição midiática do arquétipo aceitável e as consequências da busca descomedida pelo mesmo. Com efeito, a adoção de intervenções se faz essencial.

Primeiramente, cumpre destacar a existência do conceito de corpo perfeito no contexto brasileiro. O padrão estético aceitável se reproduz na exaltação do corpo magro, para a mulher, e musculoso, para o homem, além de trazer consigo a ideia de realização pessoal com sua aquisição. Isso se deve, principalmente, à intenção de venda de produtos que prometem essa satisfação, que, segundo a tese do "fetiche sobre a mercadoria" de Karl Marx, confere à compra dos mesmos o poder de felicidade. Logo, infere-se a existência do padrão estético como fator determinante nessa vicissitude.

Em virtude dessa construção social do corpo perfeito, surge amplo espectro de impactos na vida do indivíduo. Foi amplamente divulgado em 2015 o caso da modelo Andressa Urach, que, em uma aplicação de hidrogel nas pernas e glúteos, contraiu infecção e uma consequente necrose - isto é, morte - do tecido afetado. Como definiu o sociólogo Émile Durkheim, um fato social desvela a maneira coletiva de agir e pensar, o que explicita que o caso da modelo não é único em si, mas demonstra o anseio coletivo pela busca do corpo ideal e as consequências da procura desmedida pelo estereótipo admirável socialmente. Outrossim, existem impactos psicológicos para o afetado, como prejuízos em sua autoimagem e satisfação pessoal. Posto isso, constata-se a existência de efeitos adversos e prejudiciais para o indivíduo.

Portanto, depreende-se, mediante o exposto, que adquire sentido de imprescindibilidade a tomada de medidas sociais para retificação da problemática. Por isso, é premente que a Mídia, no exercício de seu papel transformador, promova a valorização do autoconceito próprio e pessoal do indivíduo, por meio da veiculação de novelas, filmes, músicas e campanhas em TV aberta e durante horário nobre, de modo que seja feita a desconstrução de estigmas e libertação do cidadão de diversas amarras sociais, o que reduzirá os efeitos do imbróglio. Através disso, considerável construção social e atenuação desses impactos poderá ser alcançada.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!