O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Tema ENEM 2010

  A sobrevivência da raça humana sempre esteve ligada à força de trabalho. Desde os métodos agrícolas mais primitivos, que alavancaram o período neolítico, aos adventos tecnológicos do século XXI. Embora as inovações trabalhistas atuem em prol do desenvolvimento da humanidade, se perpetua no Brasil estilos de atividade laboral que corrompem a dignidade humana. Nesse sentido, diante de uma comunidade desigual que mescla conflitos sociais e políticos, é necessário analisar tais aspectos, afim do pleno funcionamento da nação.


  Primeiramente, é necessário pontuar que as irregularidades trabalhistas do Brasil, derivam de uma sociedade estratificada historicamente. Nesse sentido, faz-se mister lembrar que em 1888, a lei Áurea aboliu a escravatura no país; porém, tal março histórico não anunciou o fim da exploração laboral na prática, onde os mais desfavorecidos economicamente, submetem-se ao trabalho forçado por falta de melhores oportunidades. Embora o final do século XX tenha marcado a revolução tecnológica que, em escala mundial, enriqueceu o meio trabalhista; em 2018, a ONU divulgou o Índice Global de Escravidão, que mostra 310 mil brasileiros em situação de trabalho forçado e, de tal forma, prisioneiros de um passado violento.


  Outrossim, é fulcral pontuar que o histórico de urbanização brasileira corrobora para a falta de assistência governamental para a população carente, tornando-a mais vulnerável ao trabalho abusivo. Apesar da criação da CLT, sancionada pelo então presidente Getúlio Vargas, na década de 1940; persiste a escravidão moderna nos dias atuais, principalmente nas áreas rurais e na Amazônia, de acordo com a Fundação Walk Free. Nessa visão, faz-se imperativa a necessidade da criação de políticas que alcancem a todos os cidadãos brasileiros de forma homogênea.


  Perpetua no Brasil estilos de atividade laboral que corrompem a dignidade humana. Logo, é imprescindível que o governo solucione essa iniquidade, por meio do MEC em conjuntura com a ONG Repórter Brasil criem projeto educativos e midiáticos que instruam sobre e incentivem a denúncia desses abusos e, além disso, que o Ministério do Trabalho convide iniciativas privadas para fornecimento de assistência financeira e oportunidade de educação para as pessoas carentes, com a criação de escolas públicas voltadas ao ensino de adultos e, em seguida, serem encaminhados a trabalhos dignos. Dessa forma, a nação brasileira avançará não só na tecnologia, como também na busca de igualdade para todos.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!