O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Suicídio entre jovens

Todos países têm suas especificidades de infortúnios, entretanto, há aqueles que são comuns a todos, como o suicídio, que é o ato de pôr fim intencionalmente à própria vida, o qual não está restrito somente ao Brasil. Nesse contexto, é um tema pouco discutido dentro da sociedade brasileira , destarte, a população precisa atentar-se a tudo relacionado a esse problema, como movimentos voltados para a prática de suicídio organizados em meios digitais.

A taxa de suicídio entre jovens no Brasil tem aumentado de forma preocupante, segundo o Ministério da Saúde houve um aumento superior a 10% desde 2002 entre pessoas de 15 a 29 anos de idade. Nessa conjuntura, a sociedade brasileira trata a morte como um tabu, por ignorar falar sobre o assunto em muitos casos, geralmente, tal ato está relacionado a problemas psicológicos que possuem tratamento, mas muitas vezes ignorados por pessoas próximas aos indivíduos nesse quadro clínico. Só para exemplificar, o suicídio atinge, em geral, a pessoas assoladas com depressão, drogas, abusos, bullyng.

Essa problemática da saúde pública não tem uma explicação lógica, visto que varia muito as causas que podem levar uma pessoa a suicidar, por exemplo, há famílias com históricos de suicídio, é o caso da família Vargas, em que Getúlio Vargas, seu filho e neto encontraram o fim da vida por essa prática lamentável. Dessa forma, comunidades em redes sociais como: "Instagram", "Facebook", "Twitter", entre outras contam com casos alarmantes de grupos que incentivam o suicídio como a saída para os problemas que afligem as pessoas, houve até a criação de um jogo que difundiu-se rapidamente em âmbito planetário, Baleia Azul, que consistia em passos de aceitação gradual para tirar a própria vida.

Portanto, a sociedade brasileira não deve medir esforços e recursos em evitar esse problema, canais de ajuda como o do Centro de Valorização da vida, o 188, deve ser ampliado pelo Ministério da Saúde em parceria com a Secretária especial de comunicação (SECOM), pois, atualmente, possui poucos ramais no Brasil, e sua maioria está no estado do Rio Grande do Sul. Logo, campanhas como o setembro amarelo que visa a prevenção do suicídio devem aumentar sua periodicidade, já que o problema acontece constantemente no corpo social, tal incumbência deve ser do Ministério da Saúde, por meio de incentivos a organizações não governamentais (ONG's) que voltam seus esforços para evitar esses casos. Nessa ótica, como já dizia Martin Luther King, ativista político norte americano, "o que me assusta não é o gritos dos maus, mas sim o silêncio dos bons", assim, todas essas campanhas devem incentivar que o povo retire-se desse estado de inércia aos problemas alheios, além disso, informar a população dos sinais demonstrados por possíveis suicidas, desse modo, ensinando como procederem e onde procurarem ajuda especializada.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!