ENTRAR NA PLATAFORMA
Sororidade e união entre as mulheres

A série britânica "Sex Education" retrata, por meio do assédio sofrido pela personagem Amy, a união dessa com outras colegas para superar o trauma e se sentir segura novamente. Fora da ficção, entretanto, a sororidade, no Brasil, é pouco conhecida e estimulada. Portanto, analisar a submissão feminina, bem como a violência contra a mulher é essencial para entender a problemática.


Primeiramente, destaca-se que a subordinação social a qual muitas estão submetidas dificulta o processo de sororidade. Na música "Escrava do ritmo", do artista Michael Jackson, é descrita a vida de uma mulher submissa ora às necessidades do marido, ora às condições abusivas de seu chefe no trabalho. Desse modo, entende-se que tal estrutura social a torna aprisionada e "escrava" do patriarcado. Conquanto, esse é o cenário de muitas que ficam cada vez mais excludentes ao homem e afastadas de outras mulheres, dificultando a união das mesmas com o fito de se livrar desse sistema.


Em segundo plano, entende-se que o distanciamento feminino em virtude do supracitado faz desse indivíduo, quando sozinho, mais suscetível à violência. Conforme o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), foram registrados, em 2018, cerca de 92.600 denúncias de violações contra a mulher. Assim, pertencente a uma sociedade marjoritariamente machista, a voz de uma sobre a violência sofrida é, por vezes, admitido como mais um número, contudo, a voz de muitas em função de uma mesma causa não pode ser ignorada. Com isso, a sororidade se torna fulcral para amenizar o atual quadro de opressão e desigualdade de gênero no país.


Mediante o exposto, medidas têm de ser tomadas a fim de fomentar a união feminina no Brasil. Para isso, cabe ao MMFDH criar a campanha "Unidas e libertas", a qual irá estimular, por meio de mídias sociais, o tempo para conversa e reflexão da semelhança que há na realidade da mulher brasileira. Todavia, a participação da voz feminista nesse projeto faz-se crucial tanto para perpassar à comunidade o significado e importância da sororidade, quanto para indagar que nenhuma mulher está sozinha na luta de desigualdades. Por fim, espera-se que com a consciência de suas semelhantes situações, as mulheres brasileiras se libertem de um sistema patriarcal como o relatado em "Escrava do ritmo".

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde