ENTRAR NA PLATAFORMA
Saneamento básico no Brasil

 Na obra "No Meio do Caminho", do poeta Carlos Drummond de Andrade, é citada repetidas vezes uma pedra no meio do caminho. Analogamente a isso, percebe-se a semelhança de tal pedra com a falta de saneamento básico em nosso país, uma vez que o Estado, como agente promotor de saúde e qualidade de vida à nação, encontra desafios para reduzir, no país, a falta de cobertura desse saneamento. Diante disso, convém, além de discutir os entraves dessa temática, salientar os campos sociais e políticos que a cercam.


 A priori, é válido ressaltar que ações governamentais, assim como sua ausência, interferem diretamente na mitigação ou agravamento da problemática. A exemplo disso, de acordo com o Portal de Notícias G1, pode-se apontar a capital do estado de Rondônia, em que, por descaso do governo, possui aproximadamente 4% de sua área sanada. Dessa maneira, depreende-se que o Brasil encontra desafios em democratizar o acesso da sociedade ao saneamento básico, dada a falta de uma governança efetiva e realmente voltada para a população.


 Outrossim, em um episódio da animação "Turma da Mônica", do cartunista Maurício de Sousa, é mostrado que, por motivos políticos, não pode ser promovido a segregação e o tratamento de resíduos em um lixão a céu aberto, o que ocasiona diversas doenças nos personagens que residem próximo a este. Nesse contexto, ao abordar a realidade nacional, vê-se que, pelo fato de não gerar popularidade nas campanhas, os políticos não se interessam em criar projetos para garantir um acesso digno da população ao saneamento. É inadmissível que, no Brasil, o Poder Legislativo, por meio de decretos e leis, não criminalize a falta de interesse dos representantes políticos da nação em assegurar o completo saneamento do país, o que revela o deszelo destes para com a manutenção da qualidade de vida da população.



 Diante do exposto, urgem medidas que garantam uma maior abrangência da área nacional saneada, com a finalidade de mitigar os efeitos da ausência desta. Cabe, portanto, ao Governo Federal, além de promover a universalização do acesso ao saneamento, garantir a criação de políticas públicas de prevenção a políticos mal-intencionados - com a participação da população em campanhas voltadas para a cobrança dos direitos concedids por lei. Somente assim, pode-se assegurar a mobilização dos políticos na disponibilização do acesso ao saneamento básico à população e a manutenção da democracia brasileira.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde