ENTRAR NA PLATAFORMA
Saneamento básico no Brasil

No livro “O Cortiço” de Machado de Assis, o autor retrata o determinismo que defende que o meio interfere na personalidade e no comportamento individual. Desse modo, os protagonistas vivem em ambientes precários e cometem, pois, atrocidades e desvios comportamentais. Atrelada a esse fenômeno, a ausência do saneamento básico no Brasil é um imbróglio que empobrece a estrutura espacial das cidades. Consequentemente, essa carência, ora contribui com a segregação espacial, ora aumenta os índices de degradação da cidade.


À princípio, a falta de saneamento e cuidado com a localidade causa a segregação espacial. De acordo com Drª em Arquitetura e Urbanismo Ermínia Maricato, as cidades reproduzem a lógica de Casa Grande e Senzala, porque ocorre a segregação espacial entre pessoas poderosas e minorias. Essa conjuntura é visível, uma vez que, a classe burguesa tende a comprar as poucas localidades com saneamento, estas possuem preços inacessíveis ao proletariado que, assim, tende a deslocar-se para as periferias. Destarte, o mercado imobiliário e o governo enriquecem com os impostos cobrados pelos preços altos das cidades as quais mantêm esse sistema.


Outrossim, em segundo plano, a infraestrutura das próprias cidades adoecem devido à falta de saneamento. Segundo a urbanista Raquel Rolnik, as taxas de degradação são correlacionadas à manutenção da região por parte do governo. Isso ocorre pois, a ausência do saneamento conjuntamente a de manutenção do patrimônio efetiva no descaso dos habitantes para com o ambiente precário em que vivem e, então, causam a degradação do patrimônio público, como no determinismo machadiano. Em vista disso, torna-se imperioso o fortalecimento das políticas públicas em prol da educação e da organização urbana.


Portanto, conforme o supracitado, a falta de saneamento básico beneficia, majoritariamente,  os ricos, pois colabora com a destruição das cidades e precariedade de minorias. Logo, urge que o Ministério da Educação conscientize estudantes sobre as consequências desses direitos básicos para grupos, por meio da implantação de palestras com urbanistas desde o Ensino Fundamental à “Base Curricular Comum”, para, finalmente, conheçam seus direitos à cidade. Conjuntamente, urbanistas devem organizar projetos de desenvolvimento do Plano Diretor das cidades, por meio de reuniões mensais e relatórios enviados para o governador do município, para melhorar, pois, o planejamento urbano das áreas. Desse modo, o fenômeno maléfico apontado por Machado de Assis extinguir-se-á. 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde