ENTRAR NA PLATAFORMA
Retrospectiva - Tema de Redação ENEM (2015): A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira
Conforme a lei da inércia, se uma força externa não agir sobre um corpo, este tende a manter-se no mesmo percurso. À vista disso, analogamente comportam-se as agressões contra a mulher, que, pela ausência de forças as quais ponham fim à questão, permanecem na sociedade brasileira, sendo corroboradas pela cultura patriarcal e, também, pela frágil segurança pública.

Neste sentido, a imagem da mulher submissa ao homem, sendo tratada, às vezes, até como propriedade do mesmo, acompanha-nos há séculos, uma vez que, desde o Brasil colonial do século XVII, essa visão de que a mulher é somente um objeto para satisfazer o prazer masculino é comum à sociedade brasileira, a qual motiva a ocorrência de constrangimentos sociais, tal como o assédio, e até mesmo perversos crimes contra a mulher, que, por muitas vezes, permanecem impunes ou, por medo, não são denunciados pelas cidadãs.

Outrossim, destaca-se, como impulsionador do problema, a pouca segurança em locais públicos, já que essa fragilidade facilita a ocorrência do crime mais traumático à mulher: o estupro. Com isso, é violada a sua mais importante propriedade, que é o seu corpo, tendo consequências sociais e psicológicas graves. Assim, é evidente a necessidade da atuação de uma força externa, a qual mude o percurso dessa situação.

Deve-se, portanto, extinguir o impasse. Para isso, o Ministério da Segurança Pública, junto às autoridades policiais, precisa promover maior segurança em áreas menos trafegadas - nas quais ocorrem os estupros -, dar maior prioridade às denúncias das mulheres e, sobretudo, por meio de eventos em praças públicas, escolas e universidades, incentivar as cidadãs a denunciarem qualquer agressão sofrida. Ademais, resta ao Poder Judiciário impor sentenças de maior rigorosidade aos agressores.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde