ENTRAR NA PLATAFORMA
Retorno das doenças erradicadas

Segundo dados do Ministério da Saúde, nove entre as dez vacinas que precisam ser tomadas por crianças de até um ano no Brasil estão com cobertura abaixo da meta de vacinação. Isso ocorreu porque o movimento antivacina - baseando-se na, então, falta de vivência da mortalidade que esses vírus causavam no passado- ganha, cada vez mais, adeptos no território nacional, trazendo o reaparecimento de doenças já consideradas erradicadas. Essa prática levou, por exemplo, a um violento surto de catapora nos Estados Unidos e, no Brasil, a volta de ameaça de doenças como sarampo, pólio, difteria e rubéola - vistas como erradicadas do país pela Prganização Mundial da Saúde (OMS).


O astrofísico Carl Sagan em seu livro "O Mundo Assombrado Pelos Demônios" busca definir a ciência para diferenciá-la da pseudociência, mostrando que mesmo hoje acreditamos em mitos tão fantásticos como os dos primórdios da humanidade e, é nesse contexto, que o cientista diz "se você quer salvar seu filho da pólio, você pode rezar ou pode imunizar, escolha a ciência". Dessa forma, é perceptível que a escolha pela vacinação torna-se a maior aliada no combate de patologias.


Em um país como o Brasil, reconhecido internacionalmente por seu amplo programa de vacinação (que disponibiliza, através do Sistema Único de Saúde, 42 tipos de imunobiológicos e 25 vacinas gratuitamente), a ideia de que pessoas simplesmente escolhem não se imunizar, colocando em perigo não apenas a si mesmas como também o meio em que vivem, é inaceitável. Por esse motivo, as Secretarias de Educação e de Saúde do estado de São Paulo lançaram o Plano Municipal da Primeira Infância, que tem como objetivo melorar o acompanhamento da vacinação e da saúde infantil através, por exemplo, da exigência em creches do cartão de vacinação dos alunos de até 6 anos duas vezes ao ano.


Portanto, tendo em vista a necessidade de proteger a população contra enfermidades facilmente evitáveis, é necessário que o Ministério da Saúde adote medidas, como as tomadas em São Paulo, em todo território nacional. Assim, os baixos índices de vacinação infantil na rede pública serão revertidos. Além disso, é mister que o mesmo ministério se responsabilize pela intensificação de campanhas midiáticas, através de redes televisivas e jornais, para alertar os indivíduos sobre a importância de manter a imunização em dia, conscientizando todas as camadas da sociedade e evitando taxas de vacinação abaixo da meta esperada.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde