ENTRAR NA PLATAFORMA
Redes sociais e o novo conceito de felicidade

A felicidade é o sentimento mais almejado por todas as pessoas do mundo e sempre foi assim desde o princípio de tudo, porém as evoluçoes tecnológicas influenciaram este conceito de modo que o mercado infliltrou-se neste ramo a fim de preencher a demanda através das redes sociais, inclinando-se ao que as pessoas buscam independentemente de ser o que elas realmente precisam ou não. A rede social surgiu para aproximar pessoas, mas as pessoas se distanciaram dos amigos próximos para estreitarem relacionamentos superficiais com estranhos e/ou pessoas distantes tornando-se cada vez mais indivíduos solitários na vida real e abundantes de amigos no mundo virtual que habitam, pois, as pessoas não vivem mais a felicidade real, com pessoas reais, apenas criam o que gostariam de ser e/ou estar e transmitem a impressão que gostariam de causar aos outros.

As pessoas vivem por mostrar a vida nas redes, por meio de fotos bonitas, videos felizes, somado a melhor roupa e melhor lugar possível, pois precisam passar a impressão de plenitude aos amigos que  fazem o mesmo ao postar algo que alimente o próprio ego para a frustração não predominar sobre nao ser ou nao ter o que o outro mostrou, e assim a massa segue; é um misto de mostrar e usufruir o que a moda diz ser a tendência ou o que os esteriótipos defendem ser o mais bonito, onde o mercado ganha enquanto os clientes, ou melhor dizendo "vítimas", perdem ao buscar aprovação alheia, idealizando um mundo virtual que alimenta o EU experiencial, responsável pela satisfação e felicidade momentânea do individuo se sobrepondo ao eu PROJETIVO, que é responsavel pela felicidade mais perene e permanente do eu, defendida pelo pesquisador da UNESP Pedro Calabrez. 

Abraços, conversas olho no olho, presença de pessoas era o que viviamos no passado, isso gerava mais oxitocina, alimentava nosso eu projetivo para estabelecer uma felicidade mais duradoura; já a felicidade na rede social é comparada ao comermos algo calorico e gostoso, a alegria é so no momento, assim que acaba não existe mais, isso explica claramente o indice crescente de depressão entre os jovens e adultos, um número considerado muito alto comparado aos últimos anos. 

Como mudar isso? continuarão escravos suicídas? que tal tirar uns dias para sentir pessoas reais ao inves de mensagens; tocar e abraçar ao inves de cutucar; falar coisas que animem ao invés de escrever ou gravar audios; sentir, viver, criar laços fortes e voltar ao tempo em que se falava e se sentia no mundo real, em que quando havia a distancia e usávam o telefone, fosse apenas para dar um recado ou para combinar um piquenique e resetar essa ideia de felicidade ilusória de que se é feliz apenasnse seguir algo ou se for mais do que o outro, porque a felicidade é mais do que parecer, é simples, é viver, é ser olho no olho e sentir o toque e a energia de estar num grupo de pessoas reais.

 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde