ENTRAR NA PLATAFORMA
Redes sociais e a nova era da comunicação

A barra de rolagem (scroll), criada durante os primórdios da web 2.0, foi desenvolvida com o intuito de impactar os usuários, de modo que, façam com que eles permaneçam em páginas da rede mundial de computadores (WWW) por tempo ilimitado, caso assim desejarem. Nesse cenário, as redes sociais revolucionárias, que marcaram a história da internet no século XXI, como o facebook e instagram deram início a uma realidade tecnológica jamais observada na história da humanidade. Isto posto, os consumidores dessas tecnologias são constantemente moldados pelos padrões "ideais" que esta nova dimensão propicia. Contudo, quando a barreira do "mundo virtual" sobrepõe o universo real, as consequências negativas começam a ser uma preocupação humanitária que faz questionar se o Governo está cumprindo com o seu papel de resguardar a nação brasileira, conforme prevê a Constituição Federal (CF) de 1988.



Em primeiro lugar, é importante evidenciar que, Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil, tem a segunda maior população com indivíduos que possuem depressão e ansiedade do planeta. Similarmente, uma pesquisa realizada pela TIC Domicílios, mostrou que 70% dos brasileiros estão conectados na World Wide Web (WWW). Não obstante, fica exposto que as mídias digitais têm contribuído para essa elevação estatística no número de pessoas que são portadoras de distúrbios psiquiátricos neste país, uma vez que sites desse nicho são os que mais retém acessos quantitativos. Além disso, como exemplifica o relatório da empresa SimilarWeb, o instagram e facebook demonstrou-se superior ao tempo de visitação, quando comparados aos de mais domínios da WEB, durante os anos de 2017, 2018 e 2019.



À vista disso, nota-se uma cultura digital voltada à exaltação do indivíduo na era computacional. Sob esse viés, o especialista de Havard, e autor americano, Patrick J. McGinnis, propõe que o “medo de estar perdendo algo” no mundo tecnológico (FoMO) é uma anomalia gerada pelo uso excessivo das redes sociais. Ademais, observa-se uma vulnerabilidade social no quesito à egolatria ocasionada por meio das massivas obtenções de conteúdos desproporcionais às saúdes mentais dos usuários de tecnologia. Portanto, é de suma importância haver ações de igualdade material do Governo em direção aos dependentes de FoMO, com o intento de alertar e tratar sobre os riscos desmesurados que tais utilitários são capazes de fazer.



Destarte, depreende-se que, o conjunto de todos esses elementos são os principais estimuladores para a criação de indivíduos depressivos e ansiosos. Logo, para alterar o sentimento de angustia e aceitação exorbitante na nova era da comunicação, cabe ao Governo Federal propagar, por intermédio das mídias eletrônicas, acerca de temas pertinentes à filosofia de Freud, no que tange aos níveis de personalidade, estes possuem o fito de sobrelevar de forma aprofundada os níveis do culto de si mesmo. Assim, os consumidores virtuais terão a compreensão exata do seu grau de subjetividade egocêntrica, e tenderão a ficar mais longe de tais interações coletivas, dessa forma, suas patologias que foram desenvolvidas precedentemente serão extinguidas exponencialmente.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde