O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Preconceito linguístico

O Brasil é um país composto por várias pessoas que têm costumes e hábitos diferentes. Apresentar formas distintas de falar sua língua não seria novidade. Porém, apesar de ser um país miscigenado, o preconceito linguístico é algo comum. Todos os dias pessoas que resolvem sair de suas casas e irem trabalhar em outro lugar sofrem isso, pois cada região tem um modo diferente de falar determinada palavra. A população mais pobre e sem formação é a que mais sofre com esse problema. Diante do exposto, faz-se necessário atitudes para reverter essa situação.
Com a vinda dos portugueses ao Brasil, os índios que aqui habitavam, sofreram uma série de imposições e com elas, a introdução de uma nova língua. Fato que contribui até hoje para o julgamento com o diferente. Cada região tem um modo único de falar, as pessoas que resolvem sair de suas cidades e tentarem uma vida melhor em outra, percebem um certo estranhamento e julgamento por parte da população. Angel, personagem fictícia interpretada por Camila Queiroz, na minissérie Verdades Secretas, por exemplo, representou bem essa situação vivida por muitos cidadãos brasileiros.
Risadas, piadas, fotos nas redes sociais. Essas são algumas das ferramentas utilizadas para ofender aqueles que não sabem falar "corretamente". As palavras, são determinadas de acordo com a situação, ambiente, faixa etária, etc. Por isso, o termo "errado" não deve ser usado para ofender ou classificar o modo de falar. Cada um tem um modo único de expressar sua opinião e isso deve ser respeitado. A população carente de uma boa educação sofre mais com esse preconceito, pois não tem uma formação necessária para distinguir onde e quando utilizar determinado termo e expressão.
Portanto, medidas são necessárias para resolver o impasse. As escolas devem promover palestras que expliquem com clareza que o modo de falar é mutável e o respeito deve ser cultivado, além de promover uma corrente de ensino e levar a educação para aqueles que não tem condições. O governo, por sua vez, deve por em prática punições para as práticas de humilhação e ofensas nos ambientes sociais e virtuais. Por fim, a mídia pode abordar essa temática em programas e novelas para promover o não preconceito.





Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!