ENTRAR NA PLATAFORMA
Poluição do ar e seus impactos na saúde da população
Desde a maior descoberta para o desenvolvimento humano, o fogo, datado em aproximadamente 800 mil anos A.C, a humanidade produz de maneira exacerbada e inconsciente inúmeros resíduos, resultantes de ações necessárias para a manutenção da vida. Por consequência da abundância atmosférica e por suas características físicas e químicas, como a sua invisibilidade e a sua ausência de odor, a qualidade do ar sempre foi um assunto negligenciado pela população. Em consequência da falta de preocupação da sociedade sobre o ar inspirado principalmente nos centros urbanos e industriais, o Estado possui um histórico de tratamento pífio do assunto, até a eclosão de diversos desastres iminentes de poluição atmosférica pelo mundo.
Precipuamente, a falta de estabelecimento de padrões mundiais da qualidade do ar, logicamente adaptados ao clima e fenômenos atmosféricos naturais de cada região, resulta em sistemas com grandes discrepâncias entre si e ineficiência no controle dos níveis seguros de substâncias poluidoras na atmosfera. Tal problema, expõe a população a níveis de poluentes atmosféricos prejudiciais à saúde em longos períodos de inalação, por mais que a quantidade de poluentes seja considerada dentro dos padrões locais.
Haja vista, os problemas de saúde ocasionados pela exposição exagerada à poluentes atmosféricos, estão geralmente relacionados ao aparelho respiratório e cardiovascular, uma vez que os principais poluentes como o monóxido de carbono dificultam a respiração celular, as trocas gasosas nos alvéolos pulmonares e saturação das hemoglobinas. Porém, estudos recentes mostram a influência dessas substâncias no sistema neurológico, uma vez que grávidas que inalam grande quantidade de poluentes colocam em risco o desenvolvimento do feto. Como exemplo, pode-se citar o auge da industrialização da cidade de Cubatão-SP na década de 80, onde houve o registro de aproximadamente 37 recém nascidos mortos com anencefalia.
Destarte para diminuir as discrepâncias entre os padrões de qualidade do ar entre as regiões e assegurar a saúde da atual e futura geração, é necessária a ação do Governo Federal juntamente com a OMS para estudar, analisar e executar o estabelecimento de diretrizes da qualidade do ar, específicas para cada região do globo terrestre. Além disto, a criação e divulgação de campanhas financiadas pelo Governo Federal em parceria com o SUS e redes particulares de saúde, sobre o que é a poluição atmosférica e seus riscos para a população em geral, devem ser alternativas imediatas para despertar hábitos na população que interfiram menos na qualidade do ar.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde