O desconto do plano APROVADO EM 2021 termina em: dias horas minutos segundos

Pobreza no Brasil

  No premiado filme sul-coreano "Parasita" é mostrado, em várias cenas do longa, a discrepante realidade entre as famílias ricas e núcleos familiares mais pobres. Hodiernamente, apesar de um crescente número de políticas de acolhimento socioeconômico, no Brasil, a pobreza e a desigualdade ainda são inerentes à sociedade. Nesse contexto, observa-se que a falta de acessibilidade econômica à mercadoria e, por consequência, a exclusão social são fatores que fazem a manuntenção dessa problemática em território nacional.


  Em primeira análise, segundo o sociólogo Zygmunt Bauman, em seu livro "Modernidade líquida", vivemos em uma sociedade voltada para o consumo. Nesse cenário, pessoas que, devido a falta de acesso à capital financeiro, tem seu poder de compra reduzido terão também menos acesso à mercadoria. Desse modo, quando em casos extremos, o resultado dessa conjuntura social culmina na piora da qualidade de vida das classes sociais mais empobrecidas, tendo em vista que a obtenção de serviços e produtos essenciais e de qualidade são caros quando comparados ao salário recebido.


  Outrossim, há, no centro de grandes e pequenas cidades, um processo de criação cada vez mais crescente do chamados enclaves fortificados, isto é, espaços fechados e destinados a oferecer lazer, moradia e produtos para pessoas das mais altas classes sociais. Esse fenômeno segrega espacialmente a comunidade com maior carência ecônomica para as regiões mais periféricas das cidades. Nas periferias, em consequência, ocorre um processo paralelo, a favelização, que  é acompanhada pela falta de saneamento básico e a carência de atuação de políticas públicas já existentes, o que consolida a situação precária vivida por esses habitantes.


  Em virtude dos fatos mencionados faz-se necessário que o Ministério do Desenvolvimento Regional, em parceria com governos municipais elaborem projetos de habitação social em lotes centrais vagos com a finalidade de controlar a horizontalização urbana, isso é, o crescimento das periferias das grandes cidades, para assim poder fazer a promoção de políticas assistivas que atingam o maior número de pessoas mais pobres. Além disso, é de suma necessidade, mediante o diálogo com o setor privado, diminuir o valor da cesta básica e de serviços essenciais, assim como aumentar a disponibilidade de capital, por meio de uma maior abrangência de programas assistenciais, para assim fornecer uma qualidade de vida melhor para essa população mais carente.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!