O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Os desafios da sexualidade na adolescência

         Na série britânica "Sex Education", Otis é filho de terapeutas especializados em sexo e começa a ajudar seus amigos a lidarem melhor com suas experiências sexuais. Todavia, a despeito de dar conselhos sobre aceitação pessoal, o próprio protagonista sofre problemas na sua relação com seus pais e com seu próprio corpo. Fora da ficção, os dilemas concernentes à sexualidade também se fazem presentes na vida dos adolescentes e jovens da contemporaneidade. No entanto, a banalização da discussão clara e aberta acerca da sexualidade, bem como o crescente preconceito frente às orientações sexuais representam um entrave para o enfrentamento de tais dilemas.

        Vale apontar, de início, que a adolescência é um período de transição entre a infância e a fase adulta, correspondendo, dessa maneira, a um período repleto de desenvolvimentos e mudanças corporais. Desse modo, é nesse contexto que surgem as inseguranças e todos os conflitos referentes ao mundo sexual, que corroboram a necessidade de promover um diálogo aberto com os adolescentes. Entretanto, percebe-se que dentro da maior parte das famílias, assim como em diversas instituições de ensino, o tema segue sendo um tabu, fomentando, dessa forma, a ideia de que a relação sexual na adolescência deve ser algo reprimido e sigiloso. Essa problemática encontra respaldo nos princípios filosóficos de Foucault, mais especificamente, no conceito de "tabu do objeto": há determinados assuntos dos quais não se pode falar, que não podem entrar nos discursos. Dentre eles, a sexualidade. Sendo assim, os processos de exclusão dos discursos contribuem para a desinformação dessa faixa etária, o que agrava os impasses que envolvem a vida sexual.

          Em segunda análise, cumpre destacar que, em grande parte, é durante o adolescer que questões relacionadas à orientação sexual são postas em pauta. Logo, nesse período de constantes descobertas, os adolescentes começam a estabelecer determinadas preferências sexuais. Contudo, nota-se que muitos jovens optam por não assumir abertamente sua orientação sexual e, quando fazem, precisam encarar familiares que não aceitam e uma sociedade extremamente preconceituosa, principalmente diante de indivíduos não heterossexuais. Essa análise se coaduna com aquilo que o sociólogo Zygmunt Bauman denomina "mixofobia": o medo de se envolver com o diferente, o desconhecido. Tal medo não raro alimentado por discursos preconceituosos. Destarte, infere-se que a discriminação e o receio do julgamento da família dificultam a sexualidade dos jovens, fazendo com que se sintam reprimidos.

              Portanto, diante do exposto, é imprescindível a adoção de medidas que visem naturalizar o debate sobre a sexualidade na sociedade. Nesse sentido, cabe ao Ministério da Educação, por meio da reformulação da Base Nacional Comum Curricular, inserir a obrigatoriedade da Educação Sexual nas escolas, com o fito de proporcionar alunos mais preparados e informados para a iniciação na vida sexual. Ademais, urge que a Secretaria de Cultura, por meio da ANCINE, priorize em seus editais de chamada pública, projetos que tematizem a importância dos pais aceitarem a orientação sexual dos filhos, com o intuito de garantir que os adolescentes não tenham que esconder suas preferências. Só assim, os dilemas vistos em "Sex Education" não continuarão sendo uma realidade.

 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!