ENTRAR NA PLATAFORMA
O uso excessivo de celulares na infância

Promulgada pela Organização das Nações Unidas em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos garante a todos os indivíduos o direito à saúde, à liberdade e ao bem-estar social. Entretanto, o consumo excessivo de celulares no período infantil tem privado as crianças de suas seguridades e afetado seu desenvolvimento físico e intelectual. Nesse sentido, há fatores que impulsionam esse problema, como a facilidade na usabilidade de smartphones e a responsabilidade familiar.


Primeiramente, os celulares, graças à globalização, estão presentes no cotidiano da sociedade e é fundamental para conectar pessoas, países e conhecimentos. Devido isso, há uma facilidade em obter e utilizar esse aparelho eletrônico, favorecendo, principalmente, o contato entre criança e o mundo conectado e, como prova disso, 1 em cada 3 internautas são crianças, segundo a União das Nações Unidas para a Infância. Por consequência, percebe-se a utilização precoce e de maneira excessiva de smartphones durante a infância, podendo provocar problemas sérios no desenvolvimento físico, comportamental e cognitivo desse indivíduo. Por fim, é inaceitável tal exposição exacerbada de uma pessoa muito nova ao mundo tecnológico visto que fatores negativos podem prejudicar sua vida.


Por outro lado, os pais são os principais responsáveis por incentivar o primeiro contato entre a criança e o celular. Por isso, os smartphones acabam estando presentes em uma boa parte das famílias que desejam "paz", pois esse aparelho fornece boas doses de hormônios da felicidade, como dopamina, para as crianças, deixando-as felizes e tranquilas. Contudo, essa tranquilidade obtida pode resultar em consequências muito perigosas no futuro, como a depressão infantil, provocada pelo isolamento no mundo virtual; a ansiedade e o vício, causando uma dependência excessiva. Conforme o filósofo brasileiro Marquês de Maricá, "Os vícios, assim como os cancros, têm a qualidade de corrosivos".


Fica evidente, portanto, que é fundamental desenvolver meios para evitar o uso excessivo de smartphones durante a infância. Em virtude disso, urge que o Ministério da Saúde, por meio de incentivos fiscais, crie parcerias com as grandes mídias da TV brasileira, para exibir, no horário nobre, comerciais informativos sobre as consequências negativas da relação entre celulares e crianças, a fim de que os pais redobrem a atenção para com seus filhos e evite o desenvolvimento de doenças relacionadas. Desse modo, será possível reduzir essa problemática no Brasil.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde