O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

O discurso do índio pataxó

 "Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas." Essa síntese da frase de Pero Vaz de Caminha ao avistar pela primeira vez os habitantes do Brasil demonstra sua surpresa e admiração a cultura indígena em seu primeiro contato. Com isso, apesar da sua grande importância para história do país, o índio na contemporaniedade é duramente desrespeitado, bem como esquecido. Ademais, o índio pataxó no Brasil, têm seu discurso muitas vezes ignorado, já que a incapacidade das pessoas em analisar essa realidade problemática, de forma racional e crítica, solidifica a escassez de medidas para sua erradicação. Indubitavelemente, percebe-se que esse cenário é advindo da negligência do Estado. Dessa maneira, não só a invisibilidade midiática, tal como, a falibilidade educacional atuam intensificando o quadro geral.


 Em primeiro plano, consoante Zygmunt Bauman que, com toda sua sobriedade e percepção pós-moderna, afirmou que " Na era da informação a invisibilidade é equivalente à morte". Logo, a compreensão dessa análise passa pelo jargão social: "quem não é visto, não é lembrado". Dessa forma, a mídia, a partir de um comportamento interesseiro, não divulga conteúdos, situações e grupos sociais que não engajam e geram relevância lucrativa e, aos poucos, a sociedade também não os  percebem. Além do mais, essa conjuntura pode ser observada na dificuldade encontrada pelos índios pataxós na sua convivência no Brasil, uma vez que com a pouca divulgação, por parte da mídia, é um problema pouco abordado no país.


 Além disso,  é importante notar que a falibilidade educacional dificulta as relações éticas entre os índios é a sociedade. Segundo Nelson Mandela "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo". Dessa forma, o ex-presidente da África do Sul faz alusão ao importante papel da educação como mecanismo de mudança na sociedade. Nessa perspectiva, o modelo pedagógico brasileiro objetiva-se apenas na transmissão de conteúdos, não se preocupando com a discussão de problemas sociais como a dificuldade enfrentada pelos índios pataxós que, são discriminados, como também taxados de preguiçosos e antiquados por uma parcela do corpo social brasileiro.


Mediante o exposto, é importante notar que as problemáticas enfrentadas pelos índios pataxós no Brasil, é fruto inegável da negligência do Estado. Para solucionar essa problemática o Governo Federal deve criar o Plano Nacional do Índio que, em parceria com o Ministério de Educação, proponha ao Congresso a elaboração de leis que incluam na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), de nível fundamental ao médio, matérias de conscientização, para que, desde cedo, os indivíduos adquiram conhecimento necessário para um bom convívio social, bem como tenham respeito com a cultura indígena. Além do mais, cabe também ao ,Governo Federal, em parceria com o Ministério da Comunicação, por meio das principais emissoras de TV aberta tais como Rede Globo, Rede Record, SBT, Bandeirantes, a criação de campanhas de conscientização, utilizando-se de atores famosos e bem aceitos pela sociedade como Lázaro Ramos, Marina Xavier, Tiago Abravanel. Enfim, isso em razão de que a mídia abrange uma vasta quantidade de pessoas de todas as classes sociais, como também tem grande poder de influência sobre elas de maneira que a sociedade passe a enxergar o índio e sua cultura com admiração, tal como Pero Vaz de Caminha relatou em sua carta.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!