O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

O agronegócio como ameaça ao meio ambiente

Durante o Período Colonial, ocorrido entre os séculos XVI e XIX, houve o povoamento da costa brasileira pelos portugueses, que visavam apenas as riquezas do país, as quais contribuíram muito para a economia portuguesa. De maneira análoga, no século XXI, é perceptível as progressivas ameaças que o uso deliberado dos recursos naturais vêm gerando. Nesse viés, não há dúvidas de que medidas devem ser tomadas a fim de solucionar essa inercial problemática; a qual advém, sobretudo, da intensa busca pelo lucro atrelada a displicência humana e acarreta consequências incalculáveis ao meio ambiente. 



   Diante desse cenário, faz-se possível relacionar o documentário "Cowspiracy - O segredo da sustentabilidade", produzido por Leonardo DiCaprio, ao descaso dos seres humanos para com a natureza, visto que tal obra retrata a devastação ambiental que o planeta está passando, pontuando como causa principal o agronegócio – principalmente o animal. Segundo o documentário,  esse fato, apesar de comprovado, não é divulgado devido o medo que as empresas têm de perder as confiáveis fontes de financiamento. Perante isso, infere-se que a visão de lucro das empresas configura-se como um grave causador da destruição do ecossistema, uma vez que reprime a conscientização da população e, consequentemente, a adoção de hábitos de conservação mais eficazes. 



   Seguindo essa premissa, é imprescindível ressaltar que o agronegócio gera consequências irreversíveis ao meio ambiente. Nesse sentido, é válido citar o desmatamento de áreas naturais (principalmente da Amazônia), tendo em vista que, para a realização das plantações, é necessária a expansão do território agrícola. Ademais, cabe ressalvar que a pecuária, segundo um relatório online publicado pelas Nações Unidas, fomenta a produção de mais gases de efeito estufa do que as emissões de todo setor de transporte, evidenciando o agronegócio como uma prática ainda mais ameaçadora.



   Portanto, indubitavelmente, ações são necessária a fim de amenizar os riscos do agronegócio. Para isso, cabe ao Congresso Nacional, em parceria com o Supremo Tribunal, garantir o direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado – como preconiza a Constituição de 1988 –, aumentando o rigor e a fiscalização das leis, com o intuito de proibir atividades extrativistas e agropecuárias em locais de conservação natural e visando coibir, ainda, a exploração animal em práticas pecuaristas. No mais, cabe ao Ministério do Meio Ambiente, com o auxílio do impacto persuasivo midiático, buscar maneiras eficazes de divulgar informações – como o meio televisivo, internet, projetos, campanhas – sobre como o agronegócio animal afeta o planeta, desprezando os interesses lucrativos, a fim de que as pessoas, cientes de tamanha degradação, possam escolher a melhor forma de agir. Assim, espera-se que a realidade exposta em "Cowspiracy" deixe de ser um cenário vigente.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!