ENTRAR NA PLATAFORMA
Memória e a preservação do patrimônio cultural

Durante a ascensão do Império Romano, entre os séculos V e XV, os governantes ergueram inúmeras construções, como o Coliseu, que permanecem preservadas até a atualidade, contribuindo, inclusive, com o turismo na região. Entretanto, na contemporaneidade, o Brasil é marcado pelo descaso em relação aos patrimônios históricos e culturais encontrados no país. Sob essa ótica, faz-se pertinente debater sobre a responsabilidade estatal e populacional perante a preservação do patrimônio nacional.


Em primeira análise, é fulcral ressaltar a deficiente relevância governamental diante da problemática como fator primordial. As diversas crises econômicas afetam tanto a sociedade quanto os gastos federais, culminando no corte de verbas para manutenção das obras públicas. O recente incêndio no Museu Nacional do Rio de Janeiro, por exemplo, foi motivado pela insuficiência de verbas necessárias pra manutenção desse patrimônio, esta que foi gerada pela crise pecuniária vigente desde 2008. Dessa forma, parafraseando o liberalista Adam Smith, "a economia é essencial para o desenvolvimento máximo de uma nação", evidencia-se que qualquer problema no âmbito monetário, como a imposição de um teto de gastos públicos, corrobora a deficiência econômica na esfera da preservação patrimonial brasileira.


Ademais, é imperativo pontuar a precária notoriedade populacional diante do descaso dos patrimônios nacionais como motor contribuinte. De acordo com a filosofia contratualista, o Pacto Social é definido pela colaboração entre governantes e cidadãos no que tange à estabilidade da ordem social. Partindo desse pressuposto, é incontrovertível que ações antrópicas, como a depredação e pichação dos patrimônios culturais, vão de encontro à perspectiva contratualista, haja vista que colaboram com a banalização da importância dessas obras para sociedade. Portanto, é notória a relevância da atuação dos cidadãos brasileiros no âmbito da preservação patrimonial do país.


Em suma, torna-se claro o papel do Governo e da sociedade acerca da manutenção do patrimônio histórico e cultural do Brasil. Posto isso, é mister que o Ministério da Cultura, por meio de verbas, promova a distribuição adequada destas para órgãos específicos no controle dos patrimônios culturais, com o fito de preservá-los e, assim, mantê-los em ordem para as próximas gerações. Assim sendo, aliado a palestras, impulsionadas pelo Estado, que alertem a população sobre a importância desses patrimônios para o país, a problemática supranalisada favorecerá a concepção contratualista.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde