ENTRAR NA PLATAFORMA
HIV na terceira idade

O sexo, mesmo na contemporaneidade, é considerado tabu. Desse modo, muitos preferem omitir questões relacionadas ao coito, sejam elas sobre prazeres ou doenças. Infelizmente, isso ocorre com muita frequência, em qualquer faixa etária. Entretanto, o número de idosos que tornaram-se portadores da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, conhecida como HIV, aumentou significativamente nos últimos anos. 



Em primeira análise, quem está na terceira idade tende a ser esquecido pelo Estado, mas não somente pelos órgãos governamentais. A sociedade brasileira inclina-se para o conservadorismo, moralismo e estereótipos. Logo, não se pensa na possibilidade de um idoso ter uma vida sexual ativa, esquecendo de considerá-los possíveis agentes propagadores de doenças transmissíveis. Hegel, um dos principais filósofos da história, diz que a razão rege o mundo. Por isso faz-se necessário desenvolver com o longevo o pensamento lógico acerca do assunto, sem isso, o problema tem sua intervenção dificultada.



Nesse sentido, segundo Habermas, importante filósofo e sociólogo alemão, a linguagem é uma verdadeira forma de ação. Ou seja, tem-se necessidade de se discutir, de forma ampla, questões referentes à sexualidade e suas consequências. Embora haja algumas campanhas referentes ao tema, elas não conseguem atingir todo o público necessário e, como consequência, gera um esquecimento de uma parcela da população, os idosos. Na modernidade, boa parte das publicidades usam a internet como principal veículo de comunicação, o que é importante para a fração que a utiliza como recurso primário de informação,  que são os jovens, mas por isso elas acabam sendo excludentes.



Em virtude dos fatos mencionados, medidas são necessárias para resolver essa problemática. Como solução, é preciso que ocorra um maior esforço por parte da mídia para que sejam esclarecidas questões  sobre a saúde física, sexual e psicológica dos idosos. As propagandas devem comunicar e instruir a terceira idade, promovendo a prevenção para quem não contraiu doenças e o tratamento para aqueles que sim. Esse processo deve ser acompanhado e amparado pelo Ministério da Saúde e da Cidadania, em conjunto com as secretarias de desenvolvimento da terceira idade, presentes em todas as cidades e estados do país. Essa colaboração conjunta realiza a fala de Simone de Bevouir: "Cada um de nós é responsável por tudo e por todos seres humanos.".


 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde