O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Gordofobia e o culto ao corpo padrão

"Todo preconceito é fruto da burrice, da ignorância, e qualquer atividade cultural contra preconceitos é válida". Hodiernamente, observa-se que no Brasil a ideia formulada pelo ator Paulo Autran se encontra interligada ao cenário cultural e social brasileiro, que sofre em decorrência da gordofobia e do culto ao corpo padrão.


Em primeira instância, cabe-se ressaltar que o gênero feminino é o principal oprimido por essa imposição estética. Por meio de comerciais, progagandas e meios de comunicação em geral, as marcas buscam manipular o pensamento das mulheres, causando insatisfação com sua imagem exterior, visando a lucratividade. Com a falta de representividade em meios sociais importantes, acaba sendo criada em algumas delas a necessidade de mudar fisicamente, adquirindo características desse padrão socialmente imposto. Com isso, algumas mulheres acabam se subtemetendo a situações que prometem corpos irreais e inalcansáveis, colocando em risco muita das vezes, a sua própria vida. 


Em segunda instância, nesse contexto, a youtuber e digital influencer Dora Figueiredo em seu vídeo "Blogueiras magras e amor próprio" enfatiza: "As mulheres que estão no padrão dizem que possuem gordurinhas tendo uma barriga com tanquinho". Seguindo o ponto de vista da youtuber, a ditadura da magreza se encontra cada vez mais traçoeira, fazendo até com que as mulheres que possuem um corpo dito padrão se sintam gordas. Consequentemente, em decorrência dessa situação é gerado um sentimento de inferioridade em muitas mulheres que possuem essa característica física simplesmente  pelo fato das situações enfrentadas no cotidiano serem completamente diferentes, ressaltando a dificuldade em comprar roupas, em assentos de locais públicos, além de muitas vezes essas pessoas serem indagadas se estão saudáveis ou não apenas por conta do seu peso.


Depreende-se, portanto, que há entraves a serem resolvidos para minimizar esse revés. Dessa forma, cabe à escola, por meio de paletras de cunho pedagógico conscientizar os alunos sobre esse tema, que deve ser visto com mais atenção. Ademais, cabe à mídia criar propagandas e comerciais com intuito de desconstruir pensamentos preconceituosos da população e ao Governo cabe a criação de punições mais rigorosas a indivíduos que cometessem gordofobia. Somente assim será possível tornar o meio social um ambiente mais agradável e democrático para todos. 


 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!