O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Formas para alcançar o equilíbrio entre saúde e beleza

O conto grego de Narciso, narra a história de um homem tão preocupado com a sua beleza que, por fim, perde a sua vida. Fora dos livros, de maneira preocupante, os brasileiros priorizam, cada vez mais, a estética em detrimento da saúde. Nessa perspectiva, os responsáveis pela alienação de grande parte da sociedade brasileira são : a tendência ditatorial midiática, bem como a maldita herança eurocentrista arraigada na cultura do Brasil, que há muito deveria ter sido erradicada. Dessa maneira, urge a necessidade do equilíbrio entre saúde e estética.
É necessário pontuar, primeiramente, que a mídia regula os padrões de beleza do Brasil, construindo uma "ditadura esteticista". À vista disso, é uma prova dessa tendência maliciosa, a novela "Betty a Feia", na qual fica claro que se torna desengraçada quem usa aparelho, tem sardas e não é magra. Isso posto, só é considerado belo, aquele que se encaixa nos padrões de beleza impostos nas novelas, filmes e séries. Desse modo, nasce uma incessante busca pela adequação aos modelos estéticos impostos, haja vista o caso do "Ken humano" e Andressa Urach, que se submeteram à cirurgias plásticas que comprometeram sua saúde e ameaçaram sua vida.Não é novidade na história que a mídia pode influenciar uma nação, foi através dela, sobretudo, que na Alemanha nazista, Hitler convenceu o País inteiro dos seus ideais deturpados e fundamentou um dos maiores genocídios do mundo.
Outrossim, é de suma importância observar que o ideário de beleza tem caráter cultural. Isso porque está arraigado na cultura brasileira um cruel eurocentrismo, na qual as pessoas que tem traços de origens diferentes da européia, muitas vezes, são excluídas do direito de se sentirem belas.Ademais, essa realidade vexatória deveria ter se tornado obsoleta, pois advém da colonização portuguesa, onde os colonos pregavam que somente eles eram considerados belos e iriam embranquecer o país.Dessa maneira, tal mazela se configura um gargalo para o desenvolvimento da autoestima de grande parte da população brasileira, uma vez que não obstante a nação canarinha seja um gigante miscigenado, existe uma pressão por parte da comunidade para que os muitos negros, mulatos, indígenas que são maioria no país, se adequem aos traços da minoria branca, de olhos claros, traços finos e cabelo liso. Assim, muito discurso de ódio é feito como consequência dessa herança histórica, acarretando em, segundo pesquisa da Veja, uma taxa de 77% dos jovens com propensão a depressão e distúrbios alimentares.
Torna-se incontrovertível, portanto, que os entraves trazidos pela busca exagerada da estética na nação tupiniquim precisam ser superados. É imperioso que o Estado, na figura do Ministério da Educação, desconstrua, através da promoção de palestras e discursos com autoridades do ensino da história do Brasil, a falácia da beleza eurocentrista, utilizando para isso, subsídios arrecadados pela Receita Federal. Some-se a isso que o Ministério da Justiça, em parceria com o Governo Federal, crie uma lei que promova, através da mídia, campanhas e propagandas que propaguem a mensagem de que a beleza não segue um padrão, utilizando verba providenciada pelo Ministério da fazenda, a fim de desfazer a "ditadura da estética". Destarte, teremos um País onde os cidadãos terão saúde e autoestima, estabelecendo um equilíbrio entre bem-estar e estética e somente nos mitos gregos morrerão pessoas obcecadas com o próprio reflexo.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!