O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Formas de combater as doenças sexualmente transmissíveis no Brasil


No século XX, período do governo da Era Vargas, já havia indícios de gonorreia e sífilis diante da população daquela época. Hodiernamente, segundo os dados do ministério da saúde, apenas 56,6% dos jovens usam preservativo com parceiros casuais. Fatores que ajuda nesse índice são as baixas campanhas de preservação, junto com o sistema defasado da saúde publica.
Sabe-se que o uso da camisinha no combate as DST é de extrema importância no começo da vida sexual. No entanto, as campanhas publicitárias só enfatizam esse fato no período de carnaval no país, onde o índice de propagação das DSTs tem mais chances de se proliferarem.
Além disso, o sistema de saúde pública não é capacitado o suficiente para fazer exames de sangue, com resultado na hora. Os dados da BBC mostram que, aproximadamente 112 mil brasileiros vivem com o HIV, e não sabem, aumentado assim o risco de contágios.
Consoante ao mencionado, fica evidente, que existem obstáculos a serem superados para combater as doenças sexualmente transmissíveis no país, sendo preciso intervenção das entidades públicas. Cabe ao governo destinar verbas para as campanhas publicitárias, para que elas assim sejam anuais e a implementação de disciplina sexual nas escolas. Ademais, é necessário também o investimento em postos de exame, para que assim os infectados recebam o resultado, para ir em busca de um tratamento adequado. Dessa forma, será possível combater os índices de DST.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!