ENTRAR NA PLATAFORMA
Excesso de trabalho e saúde mental

     Na obra "Utopia", do escritor inglês Thomas More, é retratado uma sociedade perfeita, na qual o corpo social padroniza-se pela ausência de conflitos e problemas. No entanto, o que se observa na realidade hodierna é o oposto do que o autor idealiza, uma vez que o excesso de trabalho afeta diretamente a saúde mental dos brasileiros, dificultando o equilíbrio proposto por More. Nesse sentido, diante de uma realidade instável e temerária, uma análise crítica é mister para a proposição de soluções.


     Precipuamente, é primordial pontuar que o problema tem fortes raízes históricas e perpetua devido a baixa atuação do órgao gestor, no que concerne a coibição de tais recorrências. Segundo o filósofo Michel Foucoualt, em " A microfísica do poder", as instituições sociais exercem uma relação de dominação com o indivíduo. Isso se reflete de forma prejudicial ao longo da história, visto que as empresas detentoras do capital em um uma situação de negligência estatal promoveram uma cultura de máxima exploração e mínima humanidade, facilmente visualizada no periodo pós revolução industrial. Em consequência disso, a criação de leis trabalhistas é apresentado como um mediador entre o descaso total e a solução real do problema, em virtude do aspecto curtural ainda ser propagado.


     Ademais, é imperativo ressaltar os efeitos dessa desordem no século XXI. De acordo com dados proporcionados pelo Instituto de Saúde Mental(ISM), doenças de cunho psicológico cresceram nos centros urbanos do Brasil, com destaque a depressão e a síndrome de Burnout resultante do estresse crônico no trabalho. Nesse viés, é pertinente o entendimento da relação entre os dados e os polos econômicos, pois a exposição do indivíduo em um meio extremamente competitivo no ramo laboral potencializa o poder ao empregador que amparado pela pressão substitutiva, tem liberbade para exigir além do limite mental. Tudo isso, contribui para a perpetuação desse quadro deletério.


     Fica claro, portanto, que para conter o avanço da problemática, medidas exequíveis são incontrovertíveis. Destarte, Urge que o governo em função de seu Ministério do Trabalho utilize seu poder regulador por meio de uma fortificação  das leis trabalhistas ao adicionar a exigência de um acompanhamento psicológico em empresas com mais de 10 funcionários. Os profissionais qualificados devem relatar a incidência de doenças mentais relacionadas a carga laboral semestralmente ao ministério, sendo passível de multa em caso de negligência empresarial. Desse modo, atenuar-se-á o conflito exposto e a coletividade ficará mais proxima da utopia de More.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde