O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

Enfrentamentos da mobilidade urbana no Brasil

Em torno do século XX, o ex-presidente Juscelino Kubitschek, promoveu de maneira rápida e radical a urbanização brasileira a partir de empréstimos estrangeiros, construções de rodovias imediatas e a introdução de multinacionais automobilística. No entanto, hodiernamente, no Brasil, as consequências relacionadas a esse surto urbano-industrial, extremamente rápida, são evidente no contexto de alvoroço social atual. Sob esse viés, é preciso uma reflexão embasada não só no que tange à má organização sociopolítica sobre o planejamento urbano, mas também sobre a inércia estatal em solucionar e buscar caminhos que retifiquem esse impasses da mobilidade urbana.

Em primeira análise, é importante ressaltar os fatores que incitam os problemas no espaço geográfico brasileiro. Nesse sentido, o sistema capitalista proporciona, constantemente, o aumento do poder aquisitivo da sociedade, ou seja, aumento da capacidade de indivíduos usufruirem de automóveis indiviuduais, ocasionado o aumento de congestionamente e poluição do ar. Dessa maneira, é inadmissível que em um país caracterizado por ter uma das maiores extensões territoriais do mundo não apresente subterfúgios que viesem a refroma social para enfrentar e melhorar a mobilidade urbana que se encontra defasada e congestionada.

Outrossim, percebe-se a fragilidade estatal em mediar e assegurar tais problemas como um intensificador do impasse urbano. Nessa perspectiva, convém ressaltar que o fenômeno conhecido como superpopulação já é evidente no Brasil, sendo esse caracterizado por uma região que está saturada de pessoas e que essa esteja sem infraestrutura suficiente para suprir a necessidade de todos. Ademais, problemas como acidentes, dificuldade na mobilidade tanto no âmbito dos pedestres quanto no trânsito e, principalmente, a má organização das rodovias e a negligência estatal sobre o transportes públicos são fatores que corroboram para a má mobilidade urbana e alvoroço social.

Em suma, urge, portanto, analisar tais impasses intrínsecos à sociedade a fim de combatê-los. Logo, cabe ao Governo Federal, com auxílio do Ministério da Economia, promover uma reduçôes e fiscalizações em gastos, salários e desvios públicos para que possa, com o capital acumulado, desenvolver uma reforma lenta, gradual e organizada acerca da rodovias e o espaço urbano em todo o país, a fim de retificar os problemas históricos desenvolvidos na urbanização brasileira a partir do século XX. Espera-se, com isso, que a mobilidade urbana se desenvolva fluidamente e sem quaisquer tipo empecílho que se possa corrigir, bem como acidentes, conflitos urbanos, congestionamentos e o suprimento de recursos que assegurem a superpopulação vigente.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!