O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

ENEM 2018

No filme "A onda", lançado em 2008, dirigido pelo alemão Dennis Gansel e baseado no livro do americano Todd Strasser, publicado em 1981, um professor de ensino médio na Alemanha propõe um desafio para os jovens desinteressados nas aulas a fim de mostrar-lhes a suscetibilidade à manipulação que todos têm. O experimento de sete dias conduzia voluntariamente os alunos a seguirem, por meio de um discurso convincente, um líder totalitário, o qual era interpretado pelo professor, e acatar simples e inofensivas ações iniciais como: vestir branco e fazer saudação que por fim ultrapassaram os muros da escola e homogeneizaram a sociedade fictícia de forma que ninguém sabia mais tomar decisões por si só sem antes recorrer ao seu representante. Analogamente, a moderação de conteúdos, considerados irrelevantes para o usuário, feita pelos algorítmos assemelha-se ao comportamento do professor que se passou por moderador, de modo que há em ambos os casos, o controle de pensamento e a indução à falsa liberdade de escolha.


Nesse sentido, o pensamento crítico é inegavelmente afetado em todas as esferas sociais, pois o constante bombardeio de informações na tela do usuário diariamente, que em muitos casos não tem tempo para checar os conteúdos apresentados a ele, ou apurar a fonte daquelas informações sugeridas induz quem está ali a pensar de forma programada e inconsciente, tornando-se nitidamente obediente à maquina. Sob o mesmo ponto de vista, o filósofo Michael Foucault em seus estudos visou compreender o discurso como forma de poder, que atua como uma força coagindo, disciplinando e controlando os indivíduos, sendo assim a almejada satisfação dos internautas o objeto do discurso e a influência das grandes e confiáveis marcas o objeto de poder resultando na coerção social e passividade coletiva.


Por conseguinte, a Revolução Técnico-Científica-Informacional ou Terceira Revolução Industrial, surgiu no século XX e correspondeu ao processo de inovações no campo da informática e suas aplicações nos campos da produção e do consumo, interligando assim as pessoas ao mercado consumidor de forma instantânea e fácil, é aí que se encontra o problema. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2016 a utilização da internet por pessoas de mais de 10 anos alcançou 64,7% tornando cada vez mais recorrente e prematura a imersão na ilusória ditadura do algoritmo. Ademais, as sugestões são dadas baseando-se no que mais é procurado pelo indivíduo, entretanto isso acaba excluindo todas as demais opções que poderá encontrar online tornando-o passivo diante do cenário em que está inserido.


Fica evidente, portanto, a necessidade de criar uma agência reguladora que possa fiscalizar o manuseio das informações para que sejam transmitidas sem que haja omissões no conteúdo apresentado ao usuário. Cabe ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), realizar um projeto juntamente com o governo federal para a criação da agência, de forma que esta atue na filtragem de informações tendenciosas que circulam na internet, moldando escolhas de um indivíduo e sua forma de pensar. Bem como, o MCTIC deve promover, em parceria com a empresa Facebook, campanhas publicitárias incentivando internautas a relatar e compartilhar suas experiências como vítimas da ditadura do algorítmo. Somente assim será possível combater a onda de alienação que aprisiona indivíduos em um círculo vicioso o qual são tentados a não sair mais, como ocorreu com os jovens estudantes na ficção alemã.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!