ENTRAR NA PLATAFORMA
Doação de Órgãos no Brasil

Na série médica “The Resident” um antigo paciente do hospital, após anos de espera, vê-se desacreditado em encontrar um doador e decide abandonar seu tratamento. Analogamente, pode-se dizer, que assim como o personagem fictício, inúmeros indivíduos no Brasil se encontram desesperançosos diante do baixo número de doadores em todo o país. Essa triste realidade nacional pode ser associada com a falta de estrutura hospitalar e a grande falta de informação.


Em primeiro lugar, deve-se ressaltar os problemas ocasionados devido a falta de estrutura hospitalar. Diante da autorização familiar para doação de órgãos, o hospital rapidamente deve realizar a capitação e refrigeração do órgão, com o objetivo de torná-lo propício para o transplante. Contudo, tal realidade encontra-se distante dos hospitais brasileiros, pois muitas vezes o local onde o doador está, não possui a infraestrutura


e capacitação dos profissionais necessária, fazendo com que ao remover o órgão, ele já não esteja mais viável para doação.


Além disso, ressalta-se que a falta de veiculação de informações para população corroboram para esse problema. A falta de investimento governamental em propagandas nesse âmbito, faz com que grande parte da população não tenha o conhecimento necessário sobre esse procedimento e da grande importância para todos os pacientes que estão na fila de espera, resultando assim, na negação dos familiares ao serem solicitados para uma possível doação. Isso pode ser evidenciado segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) que mostram que, entre janeiro e setembro de 2012, cerca de 6 mil pacientes poderiam salvar a vida de quase 22 mil pessoas que aguardavam na fila de espera, mas somente pouco mais de 1800 deles se tornaram doadores.


Infere-se, portanto, a necessidade de investimentos governamentais a fim de reverter esse cenário atual. O governo tem como dever promover o acesso à informação para toda a população, que pode ser incitada através de campanhas publicitárias nas redes sociais e palestras em todas as redes educacionais. Além de que, os postinhos de saúde podem garantir a distribuição de folhetos que visem promover tal conhecimento para qualquer público. Some-se a isso, o investimento nos hospitais públicos brasileiros e oferecimento de capacitação profissional, para garantir que os órgãos dos possíveis doadores sejam devidamente manipulados e, dessa forma, sejam capazes de salvarem inúmeras vidas.


 


 


 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde