ENTRAR NA PLATAFORMA
Doação de Órgãos no Brasil

  Segundo Zigmunt Baumn, sociólogo polonês, a falta de solidez nas relações sociais, políticas e econômicas é característica da “modernidade líquida”. No Brasil esse cenário se reflete na carência e se encontra o número de doações de órgãos, e consequentemente, gerando grandes filas de espera. Em suma, como causas dessa problemática estão a falta de incentivo a doação e a necessidade de uma lei que permita o indivíduo antes de morrer decidir se deseja ou não doar seus órgãos.


  É algo natural e corriqueiro de se ver estampado na mídia e em órgãos do governo como a escola, projetos e campanhas sobre vários problemas sociais. Por outro lado, a doação de órgãos é deixada um pouco de lado, ou não tem a repercussão necessária. Mesmo com o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos que é celebrado em 27 de setembro, parte da população brasileira ainda não tem conhecimento acerca do problema, ou não sabem como funciona o procedimento de doação. Tornando assim, dificultoso a mobilização do povo com a intenção de colaborar com a causa.


  Somado a isso, pesquisas revelam que o Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Entretanto, essa colocação parece contraditória, já que o número de brasileiros na fila de espera por um doador só aumenta com o passar dos anos, atualmente ultrapassando a casa dos 33 mil. O fato de que muitos indivíduos falecidos e com perfeitas condições para doação não doarem devido decisão da família e não do próprio antes da morte contribui para que o tamanho da fila de espera venha a crescer ainda mais.


  Portanto, torna-se evidente, que o incentivo e a valorização da doação de órgãos não sendo plenamente cultivados e exercidos. Para mudar o quadro, é necessário que o governo crie campanhas de conscientização, por meio da mídia como rádio e televisão que alertem acerca da importância da doação de órgãos na construção de um mundo melhor. É importante, também, que o Poder Legislativo gere leis que permita o próprio individuo decidir se quando morrer pretende doar seus órgãos. Isso deve ocorrer por meio de acordos entre os diferentes partidos políticos, a fim de que essas leis sejam aprovadas com seriedade. Assim, a importância e o direito da doação de órgãos estarão assegurados e mais próximo de toda a população brasileira.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde