ENTRAR NA PLATAFORMA
Desafios do empreendedorismo feminino

No longa-metragem norte-americano "Um senhor estagiário" Jules Austin é uma empresária bem sucedida que enfrenta problemas pessoais e, ao procurar um presidente para sua empresa enfrenta a dominação masculina. Fora da ficção, no Brasil são raros os exemplos de empreendedoras de sucesso, embora as dificuldades sejam semelhantes às vividas pela personagem. Ora, tal cenário é fruto de um Poder Público omisso e de um patriarcalismo enraizado socialmente.
  Essa problemática se deve, a princípio, à inoperância estatal, visto que faltam ações em prol do desenvolvimento e manutenção de novos negócios, sobretudo, os iniciados por mulheres. A essa conjectura, aplica-se o conceito de "Instituição zumbi" elaborado por Bauman para designar a perda de função social por parte do Estado, que mantém apenas a sua posição e forma. Isso é observado mediante a existência de uma burocracia demasiada, falta de incentivos e recursos para mulheres que abrem novas empresas, favorecendo o rápido declínio de seus empreendimentos. Assim sendo, tal realidade mostra-se incoerente com o ideal vigente de ordem e progresso.
  Ademais, o histórico de domínio do homem sobre a mulher deixou marcas que perduram e influenciam na resistência ao desenvolvimento feminino. Essa ideia é explicada no livro "O segundo sexo" da filósofa Simone de Beauvoir, no qual ela apresenta a visão que se tem sobre a mulher desde a Grécia antiga, onde a mulher foi descrita como um homem imperfeito e indigna das mesmas ascensões sociais. Como consequência disso, têm-se um contexto social preconceituoso e indiferente para com o trabalho feminino, o que torna a tarefa de empreender um ato de ousadia e superação de um paradigma.
  Depreende-se, portanto, a necessidade de medidas concisas que mitiguem esse panorama. Para tanto, cabe ao Ministério da Economia a promoção de meios que impulsionem e garantam a sobrevivência dos empreendimentos femininos, por meio da oferta de incentivos fiscais durante um tempo pré-estipulado para a estabilidade no mercado e posterior crescimento, visando diminuir o número de empresas fechadas precocemente. Por fim, convém que o Ministério da Educação atue na formação de valores cívicos, por meio da inserção da disciplina ética e cidadania na grade curricular comum, apresentando aulas interdisciplinares com o fito de fomentar o senso crítico e uma ampla visão social, desfazendo tabus. Diante disso, será possível o surgimento de mais Jules.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde