ENTRAR NA PLATAFORMA
Demarcação de terras e impactos na cultura indígena

Segundo a constituição de 1988, no artigo 231, ressalta a demarcação das terras em prol dos índios. Com base nisso, essas áreas servem de suporte para a prosperidade das tradições. Dessa maneira, mesmo após avanços constitucionais, o cenário de iniquidade persiste e reflete na sociedade brasileira, devido a assassinatos contra esses povos, mas também a invasões.


Na época das grandes negações foi o início do primeiro genocídio contra essas comunidades. Por consequência, milhares de nativos, tribus e dialetos foram extintos. Ademais, atualmente essa realidade não está tão distante graças as leis que não acabam com a violência contra os nativos. Além disso, os prejuízos socioculturais em nosso país são inestimáveis, logo, é um mal a ser combatido.


De acordo com dados do IBGE, cerca de 11,6% do território nacional são destinados em virtude dessas etinias. Nessa lógica, a entrada de invasores fica mais frequente, por causa do gigantesco perímetro e da negligência dos governos em divulgar o espaço ocupado. Assim, essa omissão de informações acarreta vários entraves, dentre elas conflitos entre os donos das terras e pessoas que moram perto.


Portanto, as invasões e assassinatos contra os índios vem se perpetuando ao longo de nossa história. Para tanto, faz-se necessário que o legislativo, em parceria com o judiciário, promova ações que alertem sobre as terras demarcadas, por meio de mídias televisivas, dessa forma, o propósito dessa medida é promover uma sociedade mais justa e integrada. Outrossim, o intuito de tal decisão deve-se a solucionar mortes e disputas em território indígena. Em fim, outras providências tem que ser tomadas, com o objetivo do passado não refletir o futuro.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde