ENTRAR NA PLATAFORMA
Demarcação de terras e impactos na cultura indígena
A trajetória dos índios no Brasil sempre foi marcada por diversas lutas em favor dos seus direitos. Essas desavenças acontecem desde a colonização quando os índios, ao serem encontrados pelos portugueses, começaram a perder os seus direitos e, principalmente as suas terras. Diante do contexto descrito, deve-se analisar como a não preservação do território indígena e a negação dos direitos constitucionais afetam a problemática em questão.
A não preservação do território indígena no Brasil traz consigo um contexto de posse ilegal por parte daqueles que não visam os direitos indígenas e sim, visam os seus interesses pessoais e financeiros, como é o caso daqueles que exploram ilegalmente as áreas indígenas por meio do desmatamento, aproveitamento dos recursos hídricos e invasão de terras, tendo a finalidade de utilizá-las para o agronegócio. A população indígena vem cada vez mais perdendo território e forças para lutar em favor dos seus direitos, pois ficam incapacitados de desenvolverem qualquer tipo de atividade que ajudem na sua progressão, já que esses não possuem terras para colocar em prática as suas atividades de sobrevivência, acarretando a diminuição dos povos indígenas no território brasileiro.
Atrelado a isso, a negação dos direitos constitucionais dos índios agregam desvalorização a esses povos, já que passam a não serem mais reconhecidos como portadores de uma cultura que precisa ser difundida. O não reconhecimento dessa cultura, que faz parte da história do Brasil, acarreta um discurso de valor para aqueles que sustentam essa ideia, de que os indígenas não precisam preservar a sua cultura, e sim se adaptar aos costumes do "novo país", que se formou logo após a colonização. Esse discurso precisa ser desconstruído para que novas oportunidades e novos direitos sejam abertos para esse povo, e assim torna-los integrados a nossa sociedade, com direito, principalmente, a sua terra e a preservação da sua cultura, assegurando-lhes moradia, saúde, educação e respeito.
Fica-se evidente, portanto, que, a questão das terras e cultura indígena no Brasil carrega uma longa trajetória de lutas pelos seus direitos, que ainda não lhes foram garantidos. Assim, o reconhecimento de terras como propriedade dos indígenas por parte da Bancada Ruralista do STF, irá agregar uma maior segurança para o desenvolvimento desses povos que, juntamente com o Ministério de Educação e Cultura entra diretamente como agente de modificação para a inclusão e valorização da cultura indígena, principalmente dentro das escolas e universidades, para que cada vez mais as pessoas possam reconhecer a importância desses povos para o desenvolvimento da sociedade e, cada vez mais, inclui-los, a fim de que a sua cultura seja preservada, respeitada e difundida.
Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde