use o cupom aprovado21 e ganhe + 21% de desconto extra 21% OFF

As queimadas e a preservação do meio-ambiente

      Na obra "Utopia",do escritor inglês Thomas More,é retratada uma sociedade perfeita,na qual o corpo social padroniza-se pela ausência de conflitos e problemas.No entanto,o que se observa na realidade contemporânea é o oposto do que o autor prega,uma vez que as queimadas e o desmatamento apresentam barreiras,as quais impedem a concretização dos planos de More e inviabilizam a preservação do ecossistema.Nesse sentido,diante de uma realidade instável e temerária, que mescla conflitos nas esferas políticas e sociais,torna-se imprescindível uma severa análise da problemática.


    Precipuamente,é fulcral pontuar que o crescente número de queimadas e o avanço do desmatamento derivam da baixa atuação dos setores governamentais,no que concerne à criação de mecanismos que que coíbam tais recorrências.Promulgada em 1988,a Constituição Federal impõe ao Poder Público,juntamente à coletividade,o dever de defender e preservar o meio ambiente para as presentes e futuras gerações,entretanto,isso não ocorre no Brasil.Devido à falta de atuação das autoridades, o número de focos de queimadas na Amazônia,entre janeiro e agosto de 2019,cresceu mais de 110%, na comparação com o mesmo período de 2018 feita pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.Desse modo,faz-se mister a mudança da postura Estatal.


   Ademais,é imperativo ressaltar a indiferença popular como outro impulsionador da problemática.Hodiernamente,o embate travado contra a degradação do meio ambiente é socialmente banalizado,expondo o equilíbrio ambiental ao descaso sob o título de "frescura" ou "algo desnecessário".Consoante a Victor Hugo,poeta e escritor francês,é lamentável pensar que a natureza fala e o gênero humano não a ouve.Dessarte,é notório que a insensibilidade para com a preservação natural é nociva à sustentabilidade e pode acarretar danos irreversíveis.


          Portanto,indubitavelmente, medidas são necessárias para resolver o impasse.É imperioso que o Estado,na posição de autoridade,através do Ministério do Meio Ambiente,juntamente ao Ministério Público e à Polícia Federal,instaure um sistema eficiente de fiscalização às atividades com altos potenciais de impacto ambiental;além de propor a penalização concreta dos transgressores das normas dispostas na Legislação Ambiental,com o intuito de garantir a preservação do Meio Ambiente e a punição aos infratores.Cabe ainda ao referente,juntamente ao Ministério da Educação,promover a Educação Ambiental,através de palestras escolares e propagandas midiáticas;ademais, formular projetos de sociais de reflorestamento e coleta seletiva,a fim de conscientizar sobre a importância da participação  pública preservação ambiental.Destarte,a questão supracitada poderia ser profligada.     

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!